Mapa turístico 2017
Fisio

Onça pintada no Sul da Bahia: primeiro registro em mais de 20 anos


Esse é o primeiro registro em mais de 20 anos na região e feito durante o monitoramento de fauna e flora realizado pela consultoria especializada Casa da Floresta. A imagem foi feita por meio das armadilhas fotográficas, em maio, e só depois de refinados dados, a informação é trazida à público. A espécie se encontra na categoria “vulnerável” de risco de extinção no âmbito nacional, no entanto, para o bioma Mata Atlântica, seu grau de ameaça é ainda maior, pois acredita-se que sua população não supere 300 indivíduos.
“Isso significa o sucesso dos esforços de conservação ambiental”, destaca o analista ambiental Ronaldo Gonçalves Morato, do Centro Nacional de Pesquisa e Conservação de Mamíferos (CENAP) vinculado ao Instituto Chico Mendes (ICMbio). A onça-pintada é um mamífero de topo de cadeia, considerado o maior felino das Américas. Possui extensa área de vida, podendo chegar a 113 km2 para machos e 86 km2 para fêmeas na Mata Atlântica. Sua ocorrência está relacionada ao número de presas, a presença de cursos d’água e a quantidade de cobertura vegetal com alto grau de preservação, apesar de já ter sido registrada em áreas de silvicultura. Segundo Morato, é importante celebrar e tratar com orgulho, pois a presença desse animal só é possível em condições ambientais adequadas. “Dá novo ânimo aos estudos pela conectividade entre o Parque e a Estação Veracel”, complementa Fábio Faraco, gestor do Parque Nacional Pau Brasil – ICMbio.
Evolutivamente, a onça-pintada é um parente bastante próximo de outras espécies de grandes felinos, como o tigre e o leão, sendo o único representante do gênero Panthera no Brasil. Segundo o gerente de projetos da Casa da Floresta, Elson Fernandes de Lima, a ocorrência da espécie no Sul da Bahia é ainda mais espetacular pois trata-se de uma região sensível devido ao histórico de ocupação local, com extensas áreas de pastagem e “sobretudo, a forte pressão de caça, evidenciada tanto por nossos estudos, quanto por outros artigos científicos”, lembra o ecólogo.
A partir de agora, já começa a ser desenhado um arranjo institucional que permita ampliar e intensificar o monitoramento nesta área, da mesma forma que se faz necessário dar suporte à sociedade para conviver e conservar a biodiversidade.
Localizada no bioma Mata Atlântica, a aproximadamente 15 quilômetros do centro histórico de Porto Seguro, em plena Costa do Descobrimento no Sul da Bahia/Brasil, a Reserva Particular de Proteção Natural (RPPN) Estação Veracel ocupa uma área de 6.069 hectares, que se estendem pelos municípios de Porto Seguro e Santa Cruz Cabrália. A RPPN Estação Veracel possui o reconhecimento da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO) como uma das Reservas de Mata Atlântica inscritas como Sítio do Patrimônio Mundial Natural. Desde 1992, a RPPN Estação Veracel em sido um espaço para estudos sobre a flora e a fauna realizados em parceria com os quais são realizados em parcerias com universidades, centros de pesquisa e organizações não governamentais. A área também abriga atividades de educação e recreação ambiental, utilizando a técnica de vivências com a natureza, na qual os visitantes podem entrar em contato direto com a floresta e vivenciar experiências com o meio ambiente.
A Casa da Floresta Ambiental é uma empresa especializada em estudos de biodiversidade e sustentabilidade. Com 17 anos de experiência na área de consultoria ambiental, estão à frente deste projeto o Ecólogo Me. Elson Fernandes de Lima, o eng. Florestal Rogério Cânovas Camargo Ferreira e o biólogo Diogo Cavenague Casanova. A Casa da Floresta realiza monitoramento de fauna e flora em áreas da Veracel desde 2008.


Fonte: Ascom Veracel

Visit the new site http://lbetting.co.uk/ for a ladbrokes review.

Site desenvolvido em Software Livre
Jornal do Sol | Todos os Direitos Reservados