“Ame-Se” eleva a autoestima de mulheres carentes

Ajudar e fazer o bem é um desafio. Mais que isso, é uma necessidade e um dever. Foi pensando assim que a empresária Kátia Oliveira, cabeleireira profissional há um ano e meio, mas atuante na área de beleza há mais tempo, iniciou um projeto que está deixando mulheres mais bonitas e com a autoestima lá em cima. “Eu sempre tive vontade de ajudar pessoas carentes. Já participei de alguns projetos sociais, levando alimentos na rua, junto com a igreja, porém sentia vontade de eu mesma fazer algo”, conta.

“Em um curso que fiz no Senac, atendi uma idosa que chegou triste, rígida nas palavras, que não queria fazer nenhum procedimento. E eu, com meu jeito, consegui convencê-la. Quando terminei o procedimento, ela abriu aquele sorriso - porque, até então ela não ria - e aquilo mexeu muito comigo”, disse a cabeleireira. Daí em diante, decidiu usar sua profissão também para ajudar as pessoas.

“Um dia, nas minhas orações, disse: ‘preciso iniciar’.” Foi quando ela conheceu o projeto Doar Faz Bem, desenvolvido pela estudante Loritta Santos, com quem Kátia falou do seu projeto, que já tinha um nome: “Ame-se Mulher”, e que estava em busca de mulheres carentes para atender. Foi assim que mulheres já cadastradas no Doar Faz Bem foram direcionadas ao Ame-se Mulher. O primeiro atendimento foi feito no dia 15 de maio, durante todo o dia. Cinco mulheres com idades entre 17 a 60 anos tiveram um dia de beleza só para elas.

O atendimento foi numa área anexa à casa de Kátia, que recebeu doações e levou todos os equipamentos necessários para a atenção àquelas mulheres. A ideia era que elas não só saíssem com a autoestima elevada, mas que pudessem levar roupas e sapatos. Elas foram recebidas com mensagem motivacional, um momento de oração e café da manhã. E depois passaram por corte de cabelo, escova, relaxamento, pintura; limpeza de pele e banho; troca de roupa, brincos, maquiagem, manicure e pedicure. “Uma delas já não tinha coragem de se olhar no espelho, há mais de um ano. Outras estavam querendo tirar a própria vida. Mas depois disseram que o projeto ajudou muito a se verem de outra forma”, testemunha Kátia.

Beleza e emoção

“Eu agradeço muito! Foi uma coisa tão linda, cheguei a me emocionar. Não é qualquer dia que a gente está assim bonita. Nós estamos é cuidado dos filhos, porque um dinheirinho que a gente ganha já pensa neles. É difícil ir no salão, fazer unha, cabelo e ainda se maquiar. Agradeço primeiramente a Deus que mandou essas pessoas e depois a elas. É muito raro ter pessoas que se sensibilizem assim”, disse a dona de casa Magali Araújo.

A intenção é fazer o dia de beleza pelo menos uma vez ao mês. Para isso, Kátia procura novos voluntários. Já realizou outro atendimento, desta vez, no Centro de Atenção Psicossocial (CAPS) de Santa Cruz Cabrália, com previsão de atender também em Eunápolis. Também faz parte do objetivo entregar uma cesta básica a essas pessoas e ensiná-las uma atividade que gere renda, como artesanato e culinária. “Eu disse a elas que mudassem o rumo da própria história. Porque tudo na vida, a gente tem que tomar iniciativa. Elas choraram. Foi muito bonito. Vê-las com autoestima elevada foi muito gratificante!”, disse Kátia Oliveira.

Além de Kátia, participaram dessa primeira etapa do projeto Ame-se Mulher, Loritta Santos (projeto Doar Faz Bem), Ozana Maria (cabeleireira voluntária), Joelma Miranda (manicure voluntária) e Jamilly Melo (diretora de vendas Mary Kay). Quem quiser, pode ajudar doando tempo, roupas, sapatos, xampu, hidratante, perfume, esmalte, além de alimentos. “O que a pessoa sentir desejo de doar será aceito, desde que esteja em condições de uso e dentro do prazo de validade.” As doações podem ser feitas no Espaço Kátia Oliveira, rua Dona Candi, 48 – Centro, (73) 98892-1932; ou pelo telefone (73) 99806-3792 (Loritta).

 

 

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar

© 2019 - Jornal do Sol - Informação com Credibilidade