Comandante-geral garante que PM não está em greve

 

A Secretaria de Comunicação Social do Governo da Bahia informou que o Comando Geral da Polícia Militar garante que não está havendo greve da categoria. E que o Comando Geral recebeu a informação de que a greve foi decretada por um deputado estadual, mas que “trata-se de um movimento político sem a adesão da PM”.

De acordo com a Secom, a “Polícia Militar informa que o movimento político tem a intenção de criar clima de insegurança. Isso não será permitido”. As atividades, de acordo com as informações, permanecem normais.  A Eecretaria de Comunicação informou ainda que “a Polícia Militar da Bahia garante o policiamento ostensivo em todo o estado e tranquiliza a população, que deve manter sua rotina normalmente”.

A PM reforça que o responsável pelas operações nas ruas é o Quartel do Comando Geral, que afirma estar pronto para atender a todas as demandas da sociedade. “Adianta ainda que os policiais que não atenderem suas escalas responderão conforme Legislação Militar”.

Quem decretou a greve

O comandante-geral da PM, Anselmo Brandão, afirmou que a mobilização se resume a um grupo de cerca de 300 policiais, a maioria da reserva. “Quem fez essa declaração de greve foi o deputado Prisco [PSC]. Ele e 300 policiais, a maioria aposentados, estão causando esse terrorismo na cidade, mas eu garanto que a nossa tropa continuará trabalhando e que estamos atentos a todo e qualquer episódio", disse o coronel Anselmo.

O grupo decretou greve por tempo indeterminado em assembleia no dia 08/10/19. O movimento é liderado pela Associação dos Policiais e Bombeiros e de seus Familiares do Estado da Bahia (Aspra). “A gente deu um prazo de cinco anos, período em que a gente está tentando conversar com o governador. Todas as entidades que são responsáveis por essa questão foram notificadas, receberam ofício com indicativo da possibilidade de paralisação, mas, infelizmente, não atendeu a esse pedido. Inclusive, foi dito que hoje era o dia D, o último dia em que ficaríamos esperando que o governo nos chamasse para negociar”, diz o coordenador regional da Aspra, Augusto Araújo Júnior.

O que diz a SSP

A Secretaria da Segurança Pública (SSP) diz que se trata de um "pequeno grupo" dentro da corporação, e informa que a situação é monitorada. Algumas ocorrências foram registradas em Salvador entre a noite do dia 08/10 e a madrugada de 09/10. Uma agência do banco Bradesco, localizada na Avenida Barros Reis, amanheceu com as portas de vidro quebradas. A unidade teve a porta principal e duas laterais de vidros apedrejadas pelos bandidos.

Para identificar os autores, serão utilizadas imagens do sistema de videomonitoramento da Secretaria da Segurança Pública da Bahia (SSP-BA). Segundo a SSP, as investigações apontam que os ataques foram realizados para gerar a sensação de insegurança na cidade. Equipes dos departamentos de Polícia Metropolitana (Depom) e de Inteligência Policial (DIP) buscam testemunhas das ações de vandalismo. "Não temos ocorrências desta natureza e, esta coincidência com os acontecimentos, logo depois do anúncio de greve, é determinante para o início das apurações", explicou o delegado-geral da Polícia Civil, Bernardino Brito.

Além disso, os projéteis usados nos atos de vandalismo vão ser analisados pelo Departamento de Polícia Técnica (DPT). De acordo com a SSP, não houve furto ou roubo em nenhuma das ocorrências registradas em bancos.


Fontes: Secom GovBA e Correio da Bahia - Foto 2: Betto Jr

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar

© 2019 - Jornal do Sol - Informação com Credibilidade