Porto Seguro realiza campanha de combate à hanseníase e verminose nas escolas


A Secretaria de Saúde de Porto Seguro realiza campanha de combate a hanseníase e verminose nas escolas. A ação teve início em maio e vai até o mês de agosto. No mês de julho serão atendidos os alunos das escolas indígenas. O acompanhamento é realizado pela Vigilância em Saúde e a Atenção Básica, associados ao Programa Saúde na Escola.

Durante a campanha, crianças de 5 a 14 anos do ensino infantil e fundamental das escolas municipais passam por avaliação física, com o objetivo de diagnosticar precocemente os casos de hanseníase. A ação deverá abranger 104 escolas, com a meta de alcançar 24 mil alunos.

"A participação dos pais é indispensável, principalmente por ajudarem diretamente investigando o aparecimento de manchas que podem indicar a incidência da hanseníase, dessa forma, a família oferece informações fundamentais para colaborar com o trabalho de busca ativa dos profissionais de saúde. Os casos suspeitos estão sendo encaminhados para consulta e os que receberam diagnóstico positivo submetidos a exames na unidade de saúde mais próxima da casa do estudante, com tratamento imediato", afirma o secretário de saúde, Kerry Ruas.

Entre as estratégias da campanha, o município disponibiliza nas salas de aula, material educativo e formulário que deverá ser preenchido pelos pais ou responsáveis, como mecanismo na busca ativa de casos de hanseníase. Por meio do documento, classificado de ficha de autoimagem, a família terá a possibilidade de comunicar a existência de sinais como manchas ou nódulos identificados na pele dos filhos. O material está sendo recolhido pelas equipes de saúde e nos casos suspeitos, as crianças serão avaliadas pelo médico especialista.

Segundo a Secretaria de Saúde, na tentativa de combater a verminose, o município distribui o medicamento Albendazol, usado para eliminar vermes intestinais e impossibilitar a sua sobrevivência dentro do corpo. "A parceria e colaboração das escolas no sentido de mobilizar a comunidade escolar são de fundamental importância para o sucesso da campanha e eliminação dos riscos dos casos de verminoses e hanseníase em crianças e adolescentes. É importante lembrar que, quando a hanseníase é detectada no início, não há comprometimento dos nervos e os riscos de sequelas são pequenos”, disse a diretora saúde da criança e adolescente/ Programa Saúde na Escola, Rayanne Benfica.

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar

© 2019 - Jornal do Sol - Informação com Credibilidade