Receptivo e necessidade de prevenção a DST destacam Porto Seguro no Carnaval baiano

 

Segundo a assessoria de imprensa, o Governo do Estado disponibilizou patrocínio à folia em 22 cidades do interior, dentre elas, Porto Seguro, que, além de ter bandas patrocinadas pela Bahiatursa, se destaca em relação a outras cidades pela necessidade de atenção com serviços de receptivo e e prevenção a DST, durante a folia.

De acordo com a Ascom, o Governo do Estado está investindo R$ 70 milhões no Carnaval de Salvador e nas cidades, levando em consideração o Carnaval tradicional, o de blocos afro e o pipoca. Além de Porto Seguro, o Governo afirma estar enviando patrocínio a Alcobaça, Belmonte, Cairu, Camamu, Canavieiras, Caravelas, Correntina, Itabuna, Itacaré, Juazeiro, Lapão, Maragogipe, Mucuri, Muritiba, Palmeiras, Prado, Rio de Contas, Santa Maria da Vitória, São Félix do Coribe, São Sebastião do Passé e Vera Cruz.

Receptivo especial e prevenção a DST em Salvador e Porto Seguro

Realizado desde 2008, o projeto Guias e Monitores fará o receptivo especial para turistas no Carnaval. A equipe formada por 225 profissionais deverá fornecer informações sobre programação da festa, transportes públicos e atrativos turísticos da Bahia, entre outras. Na capital, o atendimento será realizado em sete idiomas, além do português e da Língua Brasileira de Sinais (Libras).

Guias e monitores também atuarão nos municípios de Porto Seguro, Ilhéus e Mata de São João (Praia do Forte). Em Salvador, eles estarão nos três principais circuitos da festa: Dodô, Osmar e Batatinha. Também estarão a postos no aeroporto, rodoviária, porto, ferry-boat, terminal náutico e nos principais hotéis dos circuitos. Este ano, a novidade é a instalação do 'Lounge do Turista' – estruturas montadas próximas aos circuitos da festa, onde também será possível carregar o celular e fazer fotos junto a painéis com temas relacionados ao Carnaval da Bahia.

A Secretaria da Saúde do Estado (Sesab) garante que está investindo R$ 1,4 milhão para reforçar os plantões em hospitais na capital e no interior durante os dias de Carnaval. Na capital, os casos de maior gravidade, orienta, poderão ser encaminhados para as seguintes unidades: Hospital Geral do Estado (HGE), Hospital Geral Roberto Santos (HGRS), Hospital Geral Ernesto Simões Filho (HGESF) e Hospital do Subúrbio (HS).

Serão montados três postos de testagem para a detecção de HIV/Aids, sífilis e hepatites virais, sendo dois em Salvador e um em Porto Seguro. A expectativa é que sejam distribuídos pelo menos 1 milhão de preservativos nos circuitos do carnaval de Salvador e Porto Seguro, dos 4 milhões disponíveis para todo o estado durante o período carnavalesco, revertendo assim, ainda que momentaneamente, um cenário nacional em que apenas 50% das pessoas usam camisinha nas relações ocasionais.

Atrações na capital

Em 2018, a Bahia será homenageada pelos seus 220 anos de Conjuração Baiana, também conhecida como Revolta dos Alfaiates e Revolta dos Búzios. Este será o tema da decoração das ruas do Centro Histórico de Salvador. Uma grande estrutura está sendo montada, com a contratação de artistas para animar os circuitos da capital.

Na capital, a diversão está assegurada com a contratação de 203 atrações, sendo 112 somente para o folião pipoca. Vão se apresentar sem cordas artistas como Anitta, Baiana System, Bell Marques, Luís Caldas, Harmonia do Samba, Léo Santana e Baby do Brasil. Comemorando dez anos, o Carnaval Ouro Negro mantém a tradição dos blocos afro e afoxés, com o apoio a 91 entidades.
De acordo com a Secretaria de Turismo do Estado (Setur), a estimativa é que, este ano, a Bahia receba 2,1 milhões de turistas, no período da folia, gerando uma circulação de cerca de R$ 2,3 bilhões. Em Salvador, são esperados 650 mil visitantes somente para o período do Carnaval. Eles devem movimentar cerca de R$ 715 milhões em atividades relacionadas ao turismo e à festa.

Pelourinho

O Carnaval no Centro Histórico ficou ainda mais diversificado com a participação das atrações contratadas através do edital Pelô e Pipoca. Foram 73 atrações selecionadas para compor os cinco dias de programação. O palco principal da festa, no Largo do Pelourinho, será por mais um ano o cenário de encontros musicais surpreendentes que prometem fornecer momentos memoráveis na folia.
A abertura do Carnaval do Pelourinho, na noite de sexta-feira, terá o comando de uma das mais belas e fortes vozes que representam a Bahia: Lazzo Matumbi. Com diversos clássicos que marcaram época, ele apresenta um repertório que versa sobre liberdade, igualdade e resistência. Entre os títulos que não devem faltar no show, canções como ‘Alegria da Cidade’ e ‘14 de maio’.

Ouro Negro

Comemorando dez anos de criação, o Carnaval Ouro Negro se mantém como um dos mais significativos projetos do Governo do Estado, desenvolvidos por meio da Secretaria de Cultura (Secult). A edição de 2018 contempla 91 agremiações carnavalescas de matrizes dos povos africanos e tradicionais, subdivididos nas categorias Afro, Afoxé, Samba, Reggae e Índio. Os blocos desfilam nos circuitos Batatinha (Pelourinho), Osmar (Campo Grande) e Dodô (Barra/Ondina).
Entre os representantes da categoria afro, blocos de grande expressão popular como o Olodum e o Ilê Aiyê. Também participam blocos como Cortejo Afro, Muzenza, Malê Debalê, Mangangá e Bankoma, além de grupos a exemplo da banda Didá, Tambores e Cores, Swing do Pelô, Okanbi, entre diversos outros.
O segmento afoxé será representado por agremiações como os Filhos de Gandhy. Os blocos de samba também prometem fazer bonito na avenida. Na quinta-feira (dia 8) ocorre tradicionalmente o abre-alas. O Alerta Geral é um dos destaques desta primeira noite.

Encontros e baile infantil

Entre os encontros que marcarão o Carnaval 2018 do Pelourinho, o cantor e compositor Mateus Aleluia, remanescente do grupo Os Tincoãs, se reúne com cantoras de outras duas gerações posteriores, a maranhense Rita Benneditto e a baiana Ana Mametto. Também se misturam na programação os artistas e bandas Afrocidade, Luedji Luna e Xênia França; Alexandre Leão, Moreno Veloso e Davi Moraes, Riachão, Ana Paula Albuquerque e Paulinho Timor.
Além da programação no palco principal, não vão faltar opções nos largos Pedro Archanjo, Tereza Batista e Quincas Berro D’Água. Estilos atemporais do Carnaval da Bahia, como samba, afro, axé, guitarra baiana, antigos carnavais e bailes de orquestra, têm espaço garantido, ao lado de ritmos como reggae, pop rock, hip hop e arrocha. A criançada não vai ficar de fora, pois os bailes infantis prometem animar as tardes dos pequenos foliões e suas famílias entre o sábado e a terça de Carnaval.

Segurança

Cerca de 25 mil policiais e bombeiros militares trabalharão nos sete dias de festa. Mais de R$ 44 milhões estão sendo investidos em pessoal, tecnologia e equipamentos. Entre as novidades deste ano está a utilização de body worn, espécie de câmera acoplada à farda dos policiais, oferecendo maior fiscalização do que acontece dentro da festa.
Em Salvador, além de cuidar da segurança nos circuitos Dodô, Osmar e Batatinha, as polícias Civil, Militar, Técnica e o Corpo de Bombeiros também estarão presentes nos carnavais de bairro.
Os Portais de Abordagem, que há dois anos ajudam a restringir o acesso de objetos considerados de riscos aos circuitos, foram reestruturados. Este ano, 42 acessos oficiais, com controle rígido do que entra na festa, estarão disponíveis, com revistas pessoais e o auxílio de detectores de metais.

 

Respeita as Mina

A Secretaria de Políticas para as Mulheres da Bahia (SPM-BA) lança, pelo segundo ano, a campanha Respeita as Mina, no Carnaval de Salvador. O principal objetivo é mobilizar a população para o enfrentamento à violência contra as mulheres durante os dias de folia. A campanha visa contribuir também para a conscientização de homens e mulheres sobre uma das formas de violência mais frequentes durante a festa: o assédio.
A proposta, mais uma vez, é estimular o respeito, buscando incentivar um Carnaval sem violência de gênero e alertando: “respeita as mina!”. As ações incluem sensibilização também com a apresentação, pelo segundo ano consecutivo, do Trio das Minas. Sucesso no Carnaval 2017, o Trio Respeita as Mina voltará ao circuito da folia levando animação e a mensagem da igualdade de gênero. Este ano, a baiana Pitty vai puxar o trio elétrico, acompanhada das cantoras Larissa Luz e Karina Buhr.

Combate ao preconceito

Durante a festa, a Secretaria de Promoção da Igualdade Racial (Sepromi), atuará com serviço de enfrentamento ao racismo. Entre quinta (8) e terça (13), uma equipe do Centro de Referência de Combate ao Racismo e à Intolerância Religiosa Nelson Mandela estará em funcionamento na sede do Procon (Rua Carlos Gomes, 746, centro), recepcionando denúncias e oferecendo orientação jurídica aos foliões, integrado a diversos órgãos e secretarias estaduais.
O atendimento no posto fixo acontece todos os dias, das 14h00 às 22h00. Os carnavais de bairro e principais circuitos da festa também contarão com a Unidade Móvel do Centro de Referência Nelson Mandela. No equipamento serão oferecidas informações, atendimento preventivo e acolhimento de denúncias de violação de direitos nas esferas racial e religiosa. Outro canal de denúncia é a Ouvidoria Geral do Estado (OGE), por meio do telefone 0800 284 0011.

Exploração infantil

No Carnaval 2018, mais uma vez, a Secretaria de Justiça, Direitos Humanos e Desenvolvimento Social (SJDHDS) desenvolve um trabalho de proteção social e garantia de direitos, com diversas ações voltadas a públicos vulneráveis, com foco no combate à exploração sexual e trabalho infantil, violência LGBT, tráfico de pessoas e combate à violação dos direitos dos idosos e pessoas com deficiência.
A SJDHDS vai para o circuito da festa com a campanha 'Fique de Olho', composta por peças publicitárias que sensibilizam para a denúncia da exploração sexual e do trabalho infantil e demais violações por meio do Disque 100 – Direitos Humanos. Este ano, a campanha tem como padrinho o cantor Carlinhos Brown.

Detran

O folião que circular de carro ou moto durante o Carnaval de Salvador deverá estar atento ao esquema especial de fiscalização montado pelo Departamento Estadual de Trânsito da Bahia (Detran-BA). Este ano, o órgão ampliou o número de blitzes de alcoolemia, que serão realizadas durante o dia e à noite, nos principais pontos de acesso aos circuitos da folia, para garantir a segurança nas vias. As operações terão o apoio da Polícia Militar.

Dentro dos circuitos Dodô (Barra/Ondina), Osmar (Campo Grande) e Batatinha (Pelourinho), equipes da Escola Pública de Trânsito do Detran farão o trabalho de conscientização junto aos foliões pipoca e dos camarotes, com a simulação do teste do bafômetro e a orientação sobre medidas que podem evitar acidentes.
No posto central de Ondina, o Detran vai oferecer os serviços de segunda via da habilitação e do documento do veículo, além da liberação de veículos removidos das vias por irregularidades. Na Barra e no Campo Grande, vão funcionar os postos de fiscalização das condições de segurança dos trios elétricos e carros de apoio que irão entrar na avenida, com o teste de alcoolemia.

Apoio aos catadores

A Secretaria do Trabalho, Emprego, Renda e Esporte (Setre) vai realizar operação 'Carolina de Jesus: o Trabalho Decente Preserva o Meio Ambiente', de apoio à coleta seletiva de resíduos sólidos gerados durante o período carnavalesco, através do fortalecimento das Redes de Cooperativas de Catadores. A ação tem como alvos diretos cerca de 1,5 mil catadores avulsos. Serão montadas cinco centrais de coleta: duas no Campo Grande, duas na Barra/Ondina e uma no Nordeste de Amaralina. A escolha do nome da operação é uma homenagem a Carolina de Jesus, mulher negra, escritora, ex-catadora de resíduos sólidos.
A Setre fará a distribuição de kit de proteção individual com fardamento, protetor auricular, transporte e bolsa catador. Na ação 'Cabeçorra', um artista de rua vai rodar pelos circuitos, com cabeçorra feita em jornal, para sensibilizar foliões sobre o trabalho realizado pelos catadores durante a festa.

Ouvidoria

Durante o Carnaval, a Central de Atendimento da Ouvidoria Geral do Estado (OGE) funcionará em esquema de plantão de sexta (9) a terça-feira (13), das 12h00 às 18h00. O cidadão poderá entrar em contato com a OGE através do telefone 0800-284-0011 e pelo site da Ouvidoria. O atendimento presencial será realizado no Observatório do Carnaval, instalado na sede do Procon, na Avenida Carlos Gomes, das 12h00 às 20h00. O cidadão poderá fazer solicitações, sugestões, elogios, reclamações e denúncias referentes aos serviços públicos oferecidos pelo Estado.
A OGE estará atuando ainda em parceria com SJDHDS para atender denúncias de crimes contra a população LGBT, na Casa da Diversidade, situada no Pelourinho, das 12h00 às 20h00.

Sobre a Conjuração Baiana

Também conhecida como Revolta dos Alfaiates e Revolta dos Búzios foi um dos movimentos mais importantes do Brasil em busca da independência de Portugal, liberdade dos escravos e igualdade racial e social. O movimento eclodiu em 1798. A designação Revolta dos Búzios foi atribuída porque alguns revoltosos usavam um búzio (concha de molusco em forma de espiral) preso a uma pulseira, para facilitar a identificação entre si.
Os quatro líderes negros da revolta - João de Deus do Nascimento, Lucas Dantas de Amorim Torres, Manuel Faustino Santos Lira e Luís Gonzaga das Virgens e Veiga - foram mortos no dia 8 de novembro de 1799. Hoje, seus bustos estão na Praça da Piedade, lugar onde foram enforcados e esquartejados. Em dezembro de 2015, o governador Rui Costa hasteou na praça uma bandeira em homenagem aos mártires da revolta.


Fonte: Secom GovBA

 

© 2019 - Jornal do Sol - Informação com Credibilidade