Editorial edição 409

A comparação da coluna “Parece que foi ontem” - onde o Jornal do Sol apresenta os principais fatos que marcaram a vida de Porto Seguro há 25 anos – com os dias atuais é interessante para observarmos como nossa cidade evoluiu significativamente em alguns aspectos e como em outros a coisa ficou bem pior. Chega a ser inacreditável, sobretudo para os mais jovens, que em pleno boom do turismo, faltava água e luz em todo o município, Porto Seguro não tinha água tratada nem rede de esgoto e que, dependendo das condições do tempo, nenhum veículo subia ou descia a única ladeira de acesso ao Arraial d´Ajuda.

A preparação para as comemorações dos 500 anos da Descobrimento do Brasil, no ano 2000, deixou um legado expressivo para a região, com a realização de obras como o saneamento básico em boa parte da cidade, construção de escolas e do hospital regional, construção da BA001, ligando Porto Seguro ao Arraial d´Ajuda e Trancoso, ampliação do aeroporto, enfim um pacote de intervenções que mudaram a cara da cidade e o modo de vida das pessoas.  Recentemente, os estudos para a construção de um novo aeroporto, são prenúncios de novos tempos, com mais desenvolvimento turístico.

Se Porto Seguro inaugurou a sua entrada para o século XXI celebrando grandes conquistas na área de infraestrutura, do ponto de vista ambiental, entretanto, a região tem poucos ou nenhum motivo para comemorar.  Nesses 20 anos, apesar dos avanços na legislação, o desmatamento continua ceifando o que ainda resta de Mata Atlântica e os crimes ambientais exterminam a fauna, flora, mananciais e todas as reservas naturais. Incêndios criminosos, invasões irregulares, tratamento inadequado do esgoto e do lixo, comércio de animais silvestres, pesca predatória, exploração de recursos minerais, enfim, é interminável o rol de desmandos que atentam diariamente contra a natureza.

Os interesses daqueles que fazem uso inadequado e tentam se apropriar dos recursos naturais a todo custo, e à revelia das leis e da lógica de sobrevivência, são infinitamente maiores que as tímidas ações desenvolvidas por abnegados defensores do meio ambiente. E já passou da hora de entender o meio ambiente como algo distante, intocado. O apelo é pela consciência das pessoas, que precisam se ver como parte integrante desse ecossistema, saindo em sua defesa. E entendendo que atitudes simples e escolhas conscientes em nossa rotina podem dar voz ao grito pela vida no planeta.

© 2019 - Jornal do Sol - Informação com Credibilidade