Alimentação da criança: obesidade e falta de apetite são os problemas mais frequentes

Publicado na ed. 413 do Jornal do Sol  

Nos tempos atuais, a alimentação, de uma forma geral, tem se tornado um dos assuntos mais comentados. E a qualidade dos alimentos que são oferecidos às crianças são preocupação constante de pais, profissionais da área de saúde e autoridades responsáveis por políticas públicas relacionadas à saúde. Por este motivo, neste mês dedicado às crianças, quero abordar dois temas que são frequentes em consultas em meu consultório: obesidade infantil e falta de apetite.

Obesidade infantil

Estudos recentes constatam que o número de crianças obesas ou com sobrepeso tem aumentado cada vez mais e um dos grandes fatores que contribuem para o aumento de peso durante a infância é a maior oferta e variedade de guloseimas calóricas, sem falar no cotidiano sedentário que levam ao aumento do peso entre crianças e adolescentes. Estes fatores podem evoluir para as temidas doenças cardiovasculares, colesterol elevado, diabetes tipo 2 e hipertensão arterial.

No entanto, sem a ajuda e incentivo dos pais fica complicado para a criança avaliar o que deve ou não ser consumido. Como as crianças dessa idade seguem o exemplo dos adultos, cabe aos pais adotarem uma alimentação mais saudável. Algumas atitudes são fundamentais:

 - Preparar a comida com a ajuda das crianças e mudar hábitos alimentares em família;

 - Estimular a atividade física desde cedo e combater o sedentarismo, incentivando mais brincadeiras ao ar livre e jogos em grupo;

- Fazer com que comam a cada três horas para evitar que cheguem com muita fome nas principais refeições;

- No lugar de doces, incentivar o consumo de frutas da estação ou até frutas secas;

- No lugar do refrigerante para matar a sede, incentivar o consumo de água ou suco natural sem açúcar;

- Trocar os produtos industrializados por comida caseira feita com alimentos frescos e pouco calóricos;

- Desde cedo estimular o consumo de fibras;

- Trocar o pão branco pelo integral;

- Doces e bolachas recheadas devem ser consumidos com moderação, em pequenas quantidades.

Falta de apetite

A partir dos nove meses, a criança cria uma certa autonomia e a recusa alimentar pode aparecer. Por volta de um ano de idade, ocorre uma desaceleração do crescimento normal da criança e, por isso, a demanda por alimentos diminui, o que acaba preocupando muitos pais. Mas é preciso entender que esse é um processo fisiológico e que as crianças não comem as mesmas quantidades que os adultos. Normalmente, as mães se cobram muito e cobram muito a criança a respeito da alimentação, e muitas vezes as causas podem estar nas próprias atitudes dos pais. As principais causas da falta de apetite nas crianças são:

- Preocupação e ansiedade em excesso por parte das mães podem prejudicar este momento tão importante que é alimentar a criança;

- Cobranças internas, de avós, sogras ou outras pessoas próximas prejudicam e devem ser cortadas pelas mães;

- Usar alimentação como prêmio para compensar falta de tempo para dar atenção e carinho;

- Os pais não devem ceder os caprichos da criança. Uma alimentação saudável e balanceada não contempla apenas salgadinhos de pacote, bolachas e frituras. É importante que a criança tenha um prato completo e variado e que alimentos saudáveis sejam oferecidos diariamente dentro de uma rotina estipulada;

- Não ter rotina na hora das refeições, é um erro. Crianças que almoçam 12h um dia e 16h outro dia, não criam hábitos, e isso é ruim. Limites e rotina são importantes para as crianças;

- Se a criança rejeitar um alimento, os pais não devem desistir, ofereça sempre que possível.

Por volta dos cinco anos de idade, a criança tende a aumentar seu apetite e passa a comer melhor. Não deixe de oferecer alimentos saudáveis e não estimule os industrializados, fast food e doces. É importante ressaltar que também não se deve criar um ambiente crítico e totalmente adverso aos alimentos, mesmo que sejam gordurosos e ricos em açúcar.

A alimentação deve ser um processo natural, equilibrado, sem restrições e sem excessos, que valorize a saúde e desenvolvimento normal da criança.

Feliz mês das crianças e saúde a todos!


Maria Luiza dos S. Cardoso é nutricionista especialista em obesidade e emagrecimento

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar

© 2019 - Jornal do Sol - Informação com Credibilidade