Prosperidade: virtude e pecado

Publicado da edição 424 do Jornal do Sol

Os tempos de crise são os mais favoráveis para “sonhar melhoras”. O “corona” vírus é o exemplo mais recente; mas também eleições, crise econômica, desastres ambientais e certas religiões estão adotando um discurso pelo menos ambíguo, mentiroso, para não dizer decididamente falso.

Teologia da prosperidade

Contrariando o que ensina sobre riqueza, em numerosas narrativas bíblicas, de forma mais contundente nos capítulos do Evangelho segundo Mateus cap. 6 e Lucas 12,22-34, existem diversos religiosos que esqueceram a frase-chave sobre o acúmulo de bens, que até a internet relata de forma bem exaustiva:

Quod superest date pauperibus (o que se encontra em cima, doem para os pobres). Tem biblistas divergindo se o “em cima” se refere à mesa ou a dispensa. Mas esta interpretação não deixa de afirmar que quem não reparte os bens com os mais necessitados não é evangélico.  O que dizer então de quem usa os privilégios da religião para acumular riquezas para própria pessoa ou família. Pior, quem usa ofertas para lavar dinheiro, sonegar impostos, favorecer a corrupção. Se questionados, chegam a mentir prometendo a prosperidade dos fieis na outra vida. O abuso de nomes sagrados, promessas espirituais, recompensas eternas cheiram mesmo a blasfêmia. São pecados gravíssimos.

Política da prosperidade

Todo mundo admite que a propaganda política, a prática de promessas sem fundamento, a apresentação de programas falsos são verdadeiras mentiras ridículas e absurdas. Mesmo assim existem muitas pessoas que gostam de ser enganadas e continuam votando em quem provou que não tem capacidade nem vontade de servir o povo, sim de se servir. O histórico de vida e atitudes dos candidatos, não estão sendo considerados. Por causa desta superficialidade, teremos sempre mais administrações corruptas. Valeria a pena analisar as crises econômica, ecológica, social, no cuidado com a educação, a saúde, constatando que o acúmulo das riquezas, a custo do empobrecimento da população pobre, aumenta cada vez mais enquanto o planeta terra se degrada de maneira irreversível. Que tal trocar ideias sobre o que significa mesmo prosperidade?

O caminho da prosperidade

Em primeiro lugar, próspero significa também simples, sincero, favorável, propício, ditoso, feliz. Para ser isto é preciso voltar a uma vida mais frugal. Não precisa se exibir tomando cerveja nos bares ou lugares com tantas pessoas, em praias super badaladas. Cerveja, comida, tira-gostos são gostosos também quando consumidos na própria casa, talvez com alguns parentes ou amigos, vizinhos. Seria bom ocupar o tempo de pandemia tendo uma hortinha no quintal, flores até em paredes ou quartos da casa, fazer e até inventar receitas novas na cozinha.  Fundamental é aceitar estas atividades não como castigo, falta de sorte, sim como uma nova maneira de viver, se relacionar, pois quando conseguirmos viver de forma natural, descobriremos que “as coisas mais simples são as mais belas”, como dizia São Francisco de Assis.


Antônio Tamarri é professor de História e Teologia

© 2021 - Jornal do Sol - Informação com Credibilidade