A Bahiatursa abriu o calendário 2018 de participação nas feiras internacionais na quarta-feira, 17/01/18, na Fitur Madri, um dos mais importantes eventos da indústria do turismo do mundo. Em sua 38ª edição, a Feira Internacional de Turismo reúne profissionais dos mais variados segmentos turísticos para fazer negócios, apresentar novos produtos, participar de seminários e congressos.
A Bahiatursa monta um estande para reforçar a promoção dos atrativos e destinos do estado. “É importante destacar que essa iniciativa visa fortalecer os voos diretos de Madri e Lisboa para Salvador”, afirma o superintendente da Bahiatursa, Diogo Medrado.
Segundo Diogo, a última pesquisa Fipe, encomendada pela Setur - BA, aponta a Espanha em 8º lugar no ranking de países emissores de turistas para a Bahia, sendo responsável por 3,6% do total de visitantes para o estado. “A Fitur Madri será uma excelente oportunidade para manter a Espanha entre os dez principais destinos emissores de turistas para o nosso estado”, completa.
A diretora de Promoções da Bahiatursa, Regina Ahmed, informa que a parceria estratégica com a Embratur continua, dessa vez com a realização de uma capacitação da Bahia, no estande do Brasil, para os principais operadores e agentes de viagens do mercado. Ela lembra que a feira é aberta ao público final, potenciais turistas que vão ao evento para planejar suas viagens e férias. A Fitur acontece até domingo, 21/01/18.


Fonte: Ascom Bahiatursa - Foto: Rita Barreto


A Baía de Todos-os-Santos será o ponto de partida do II Desafio Yacht Salvador – Morro de São Paulo de canoa havaiana, que acontece no dia 3 de fevereiro com a participação de mais de 200 atletas de todo o Brasil. A largada está prevista para as 7h00, no Yacht Clube da Bahia, na Barra. A rota até Morro de São Paulo, onde os competidores serão esperados na Terceira Praia, deve ser percorrida em 6 horas e meia.
Além dos baianos, devem participar do evento náutico, que tem apoio da Secretaria Estadual do Turismo (Setur), competidores de 10 estados, como Rio de Janeiro, São Paulo, Rio Grande do Sul, Ceará, Maranhão e Sergipe. Com percurso de 60 quilômetros, o Desafio Yacht é considerado a maior competição de longa distância sem revezamento do país.


Para o subsecretário do Turismo do Estado, Benedito Braga, a disputa dará ainda mais visibilidade ao potencial da Baía de Todos-os-Santos e do arquipélago de Tinharé - onde está localizada a ilha de Morro de São Paulo - para esportes náuticos.
Segundo Nicole Saback, membro da comissão organizadora da prova, os atletas permanecerão em Morro de São Paulo por alguns dias, com familiares e parceiros, ajudando a movimentar a economia da ilha pertencente ao município de Cairu durante a semana que antecede o Carnaval.
Participarão do Desafio Yacht nomes como Sebastián Cuattrin, Guto Campos e o paratleta Fernando Fernandes. Ao todo, a competição de canoagem contará com quatro categorias: três de canoa havaiana (individual, dupla e seis pessoas) e surfski, modalidade individual, porém mais ágil.
“O evento contribui para a geração de fluxo turístico na Costa do Dendê. A rota seguida pelos competidores apresenta belezas naturais e, na chegada a Morro de São Paulo, eles também conhecerão aspectos culturais e atrativos históricos como a Fortaleza do Morro”, acrescenta Benedito Braga.
Fortaleza restaurada - A realização da competição náutica coincide com a finalização das obras de recuperação da Fortaleza do Morro de São Paulo e devolução desse patrimônio histórico à comunidade, um atrativo a mais aos visitantes. A restauração incluiu o Portaló, o Corpo da Guarda, o Forte da Ponta e o caminho ao longo da muralha.
Tombada pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), a fortaleza do Morro é um importante atrativo histórico-cultural, localizado na Costa do Dendê. As obras representam investimento de R$ 14,4 milhões. Foram realizadas por meio de uma parceria que reuniu o governo estadual, por intermédio da Secretaria do Turismo da Bahia, Prefeitura de Cairu, Instituto de Desenvolvimento Sustentável do Baixo Sul (Ides), Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), Instituto do Patrimônio Artístico e Cultural da Bahia (Ipac) e empresários locais.


Fonte: Ascom Setur; Fotos: Nicole Saback e Rennan Calixto

 

Para a temporada de verão na Bahia, em 2018, são esperados mais de 5,6 milhões de turistas. Por mar, terra e ar, os turistas chegam a Salvador e a diversas cidades do interior baiano, gerando uma ocupação de 80% a 100%, durante todo o período. Na manhã desta terça-feira (16), foi a vez do transatlântico MSC Preziosa atracar na capital baiana, com mais de 4 mil pessoas a bordo.

“Esse número ampliado de turistas se deve à aplicação de recursos em mídia digital e à participação em feiras nacionais e internacionais do segmento, que permitiu o contato direto com quem vende o destino Bahia, tais como agentes de viagens e operadores”, destaca o secretário estadual de Turismo, José Alves. As estratégicas adotadas pela Secretaria de Turismo do Estado (Setur) também envolvem as companhias de navio. “Intensificar esse contato resultou em um crescimento de 8,4% no número de transatlânticos que visitam o estado”.

Outro fator determinante para o incremento do turismo é a redução do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) sobre o querosene de aviação, que passou de 18% para 12%. Adotada pelo Governo do Estado em maio, explica o secretário, a medida teve "reflexo imediato, pois permitiu que as companhias aéreas oferecessem mais voos. No ano passado, nessa mesma época, tivemos 1,5 mil voos extras e, nesse ano, são 3.453”.     

Nesta quarta-feira (17), mais dois navios desembarcam na capital: o MSC Música e o Costa Favolosa. Juntos, os transatlânticos têm capacidade para quase sete mil pessoas.

Receptivo

A alegria e a hospitalidade da Bahia são exploradas no momento de recepção do turista. “Música, ícones como as baianas, pontos turísticos e ampla programação artística e cultural são armas utilizadas para fidelizar o visitante”, relata a coordenadora de Informações Turísticas e Atendimento da Superintendência de Fomento ao Turismo (Bahiatursa), Tatiana Harfush.

Mais de dois mil profissionais receberam treinamento intenso em 2017 para promover um receptivo focado, principalmente, em consolidar a relação com os turistas. “Quem chega à Bahia, hoje, é muito bem recebido. O trabalhador do turismo precisa entender que se trata de uma atividade econômica que movimenta 59 segmentos da economia, gerando emprego e renda”, alerta o titular da Setur.

De São José do Rio Preto, no interior paulista, a auxiliar administrativa Mariana Martins desembarcou no MSC Preziosa nesta terça (16). Ela já esteve em Salvador, mas ainda não conhecia pontos importantes. “Dessa vez, irei ao Pelourinho. Minhas expectativas são ótimas, pois gosto muito da Bahia”. O marido dela, o também auxiliar administrativo Anderson Peres, ressalta que “em se tratando de Salvador, a perspectiva é muito boa, principalmente para comer o famoso acarajé”.


Fonte: Secom BA/ Fotos: Elói Corrêa


Após ter crescido 3,3% em outubro, o volume do setor de serviços na Bahia recuou 2,9% em novembro de 2017, na comparação com o mês imediatamente anterior, livre de influências sazonais.
Foi o terceiro pior resultado dentre os estados nesse tipo de confronto, acima apenas dos verificados no Maranhão (-3,6%) e no Amapá (-3,3%), e em sentido contrário à média nacional, que mostrou crescimento de 1,0% do setor de serviços entre outubro e novembro do ano passado.
De outubro para novembro, o volume de serviços caiu em 7 dos 27 estados brasileiros. Os melhores resultados do setor ocorreram no Acre (6,6%), em Rondônia (5,8%) e em Mato Grosso (5,0%); o Distrito Federal mostrou estabilidade (0,0%).
No confronto com novembro de 2016, o volume dos serviços na Bahia também voltou a recuar (-6,4%), após o crescimento de 2,5% que havia sido verificado em outubro. A queda no estado foi maior que a do país como um todo (-3,7%).
De janeiro a novembro de 2017, o setor de serviços baianos acumulou queda de 4,7%, mais intensa que a média nacional (-3,2%). Nos 12 meses encerrados em novembro do ano passado, o recuo no estado (-5,0%) também foi maior que o do país como um todo (-3,4%). Em ambos os acumulados, houve leves aumentos do ritmo de queda na Bahia em relação aos resultados de outubro (que haviam sido de 4,6% e 4,5% respectivamente).
Nas comparações com 2016, o setor de serviços segue negativo na maior parte do país. No confronto novembro/17, novembro/16, o setor caiu em 21 dos 27 estados, com destaque para os recuos no Amapá (-14,6%), Maranhão (-10,2%) e Pará (-10,0%). Nos acumulados no ano de 2017 e nos 12 meses encerrados em novembro/17, apenas Paraná (4,8% e 3,6%, respectivamente) e Mato Grosso (13,5% e 9,2%) mostram crescimentos.

Transportes têm aumento

Frente ao mesmo mês de 2016, em novembro de 2017, apenas uma das cinco atividades de serviços pesquisadas teve resultado positivo na Bahia: Transportes, serviços auxiliares aos transportes e correio (17,5%).
Por terem o maior peso na estrutura dos serviços no estado, os transportes foram a principal influência no sentido de evitar um desempenho ainda pior do setor em novembro. A atividade vem crescendo sistematicamente desde junho de 2017 e acumulava, até novembro do ano passado, alta de 4,6% - único resultado positivo dentre as atividades, na Bahia.
Já os Serviços profissionais, administrativos e complementares (-33,7%), que vêm caindo a dois dígitos desde março de 2017, continuaram exercendo a principal influência negativa sobre o desempenho do setor de serviços baiano, em novembro.
O resultado da atividade em novembro mostrou aumento do ritmo de queda em relação a outubro (-21,2%) e foi o pior, na comparação com o mesmo mês do ano anterior, desde novembro de 2015 (-35,3%). De janeiro a novembro de 2017, a atividade acumulava queda de quase 20% (-19,7%).
Os serviços profissionais também têm peso importante na estrutura dos serviços baianos. Trata-se de um grupo diversificado, com grande peso um pouco maior das atividades direcionadas às empresas (ligadas às áreas jurídica, contábil, de segurança, assessorias e consultorias em diversos campos), mas também que atendem as famílias (agências de viagem, empresas jornalísticas, entre outras).
De outubro para novembro, as atividades de serviços ligadas ao turismo na Bahia tiveram variação negativa de -0,3%, após terem crescido 1,6% de setembro para outubro, na comparação com ajuste sazonal.
Nesse confronto, na média nacional, as atividades turísticas cresceram 0,9%. Dentre os 12 estados em que elas são pesquisadas, além da Bahia (-0,3%), Distrito Federal (-1,8%), Rio Grande do Sul (-1,6%) e Minas Gerais (-0,5%) tiveram recuos. Por outro lado, Rio de Janeiro (2,5%), Pernambuco (4,3%) e Santa Catarina (4,7%) apresentaram os melhores desempenhos.
O resultado do turismo baiano também foi negativo na comparação com novembro de 2016 (-3,0%), embora melhor que a média nacional (-6,6%). Nessa comparação, Rio de Janeiro (-19,9%) e Distrito Federal (-19,6%) seguem com os piores desempenhos, enquanto Pernambuco (11,9%) e Goiás (8,6%) têm os maiores crescimentos.
Mesmo com os resultados negativos de novembro, o volume das atividades turísticas ainda segue em crescimento, na Bahia, tanto no acumulado no ano de 2017 (1,1%) quanto no acumulado nos 12 meses encerrados em novembro (0,8%). Ambos os resultados são melhores que a média nacional (-6,6% e -5,9% respectivamente).


Fonte: IBGE