Brasil ultrapassa meio milhão de consumidores com energia solar

Usina fotovoltaica instalada em telhado pela Hitec Energia Solar

O Brasil acaba de ultrapassar a marca de meio milhão de unidades consumidoras com geração distribuída solar fotovoltaica. Os consumidores residenciais, com usinas instaladas em telhados e pequenos terrenos, estão no topo da lista, concentrando mais de 70% das usinas. O levantamento é da Associação Brasileira de Energia Solar Fotovoltaica (ABSOLAR).

Para a entidade, a fonte fotovoltaica é estratégica na recuperação econômica, com imenso potencial de geração de empregos, renda e atração de novos investimentos ao País. “A energia solar terá função cada vez mais estratégica para o atingimento das metas de desenvolvimento econômico do País, sobretudo neste momento, para ajudar na recuperação da economia após a pandemia, já que se trata da fonte renovável que mais gera empregos no mundo”, aponta o CEO da ABSOLAR, Rodrigo Sauaia.

A pesquisa realizada pela associação apontou que os consumidores residenciais são hoje 73,6% do total de usinas instaladas. Em seguida, aparecem as empresas dos setores de comércio e serviços (16,6%), consumidores rurais (7,0%), indústrias (2,4%), poder público (0,4%) e outros tipos, como serviços públicos (0,03%) e iluminação pública (0,01%).

Em potência instalada, os consumidores residenciais também lideram o uso da energia solar fotovoltaica, com 38,9% da potência instalada no País, seguidos de perto por consumidores dos setores de comércio e serviços (37,8%), consumidores rurais (13,2%), indústrias (8,8%), poder público (1,2%) e outros tipos, como serviços públicos (0,1%) e iluminação pública (0,02%).

Desde 2012, a geração distribuída a partir da fonte solar já representa mais de 4,6 gigawatts de potência instalada operacional, sendo responsável pela atração de mais de R$ 23 bilhões em novos investimentos ao País, agregando mais de 140 mil empregos acumulados no período, espalhados pelas cinco regiões nacionais.

 As cerca de 500 mil unidades consumidoras recebem créditos de energia de mais de 400 mil sistemas conectados à rede, que proporcionam economia e sustentabilidade para a sociedade. A tecnologia solar fotovoltaica já está presente em mais de 5 mil municípios e em todos os estados brasileiros. Entre os cinco municípios líderes na solar distribuída, estão Cuiabá (MT), Uberlândia (MG), Rio de Janeiro (RJ), Teresina (PI) e Fortaleza (CE), respectivamente.

 Levantamento histórico feito pela ABSOLAR mostra que, nos últimos doze meses, foram adicionadas mais de 249 mil novas unidades consumidoras com geração distribuída da fonte solar no Brasil, ou seja o número de unidades dobrou em comparação com o período anterior.

“Nos últimos cinco anos, a geração distribuída solar teve um crescimento médio superior a 200% ao ano no Brasil. Esse desenvolvimento trouxe benefícios para quem tem e para quem não tem solar em casa”, comenta o presidente do Conselho de Administração da entidade, Ronaldo Koloszuk.

Embora tenha avançado nos últimos anos, o Brasil - detentor de um dos melhores recursos solares do planeta - continua com um mercado ainda muito pequeno em geração distribuída, já que possui mais de 86,3 milhões de consumidores de energia elétrica e menos de 0,6% faz uso do sol para produzir eletricidade.


Fonte: Thiago Nassa - Foto: Hitec Energia Solar

Prefeitura de Cabrália faz ressarcimento de inscrições para concurso municipal

Os candidatos que fizeram inscrições para o concurso público nº 03/2019, para os cargos de agente de combate a endemias e agente comunitário de saúde, do quadro de pessoal da Prefeitura Municipal de Santa Cruz Cabrália, devem solicitar o ressarcimento da taxa de inscrição.

Para isso, o candidato deve acessar o site: www.ifepbr.org.br => Concurso da Prefeitura de Santa Cruz Cabrália => Acompanhamento => entrar com CPF e senha => Escolher a inscrição => clicar na na opção "Devolução da Taxa de Inscrição" => preencher os dados solicitados => imprimir o comprovante da solicitação.

Os candidatos têm o prazo de 60 dias corridos, a contar do dia 05/02/21, para solicitarem a devolução do valor pago à título de inscrição. O valor da taxa bancária é descontado.


Fonte: Ascom PMSCC

Energia solar deve gerar mais de 147 mil empregos no Brasil em 2021

 

Segundo a Absolar, setor trará mais de R$ 22,6 bilhões em novos investimentos e uma arrecadação de mais de R$ 6,7 bilhões no ano

Projeções da Associação Brasileira de Energia Solar Fotovoltaica (Absolar) apontam que a fonte solar fotovoltaica deverá gerar mais de 147 mil novos empregos aos brasileiros em 2021, espalhados por todas as regiões do País. Segundo a avaliação da entidade, os novos investimentos privados no setor poderão ultrapassar a cifra de R$ 22,6 bilhões em 2021, somando os segmentos de geração distribuída (sistemas em telhados e fachadas de edifícios) e centralizada (grandes usinas solares).

Pela análise da Absolar, serão adicionados mais de 4,9 gigawatts (GW) de potência instalada, somando as usinas de grande porte e os sistemas distribuídos em telhados, fachadas e pequenos terrenos. Isso representará um crescimento de mais de 68% sobre a capacidade instalada atual do País, hoje em 7,5 GW. As perspectivas para o setor são de chegar ao final de 2021 com um total acumulado de mais de 377 mil empregos no Brasil desde 2012, distribuídos entre todos os elos produtivos do setor.

A maior parcela destes postos de trabalho deverá vir do segmento de geração distribuída, que serão responsáveis por mais de 118 mil empregos neste ano. Dos R$ 22,6 bilhões de investimentos previstos para este ano, a geração distribuída corresponderá a cerca de R$ 17,2 bilhões.

Para a geração distribuída solar fotovoltaica, a Absolar projeta um crescimento de 90% frente ao total já instalado até 2020, passando de 4,4 GW para 8,3 GW. Já no segmento de usinas solares de grande porte, o crescimento previsto será de 37%, saindo dos atuais 3,1 GW para 4,2 GW.

A entidade projeta, ainda, que o setor solar fotovoltaico brasileiro será responsável por um aumento líquido na arrecadação dos governos federal, estaduais e municipais de mais de R$ 6,7 bilhões este ano. Isso contribui para o fortalecimento dos orçamentos públicos e a prestação de melhores serviços para a sociedade brasileira. O valor já contabiliza a economia dos consumidores em suas contas de eletricidade, mostrando que o benefício econômico do setor é favorável também para o poder público.

Para o presidente do Conselho de Administração da Absolar, Ronaldo Koloszuk, a energia solar é estratégica para acelerar a retomada econômica sustentável do Brasil, fortalecendo a competitividade e a sustentabilidade do país. “A energia solar fotovoltaica reduz o custo de energia elétrica da população, aumenta a competitividade das empresas e desafoga o orçamento do poder público, beneficiando pequenos, médios e grandes consumidores do País”, ressalta.

“Este será um ano radiante para o mercado solar fotovoltaico brasileiro. A solar é a fonte renovável mais competitiva do País e uma verdadeira alavanca para o desenvolvimento econômico, social e ambiental, com geração de emprego e renda, atração de investimentos, diversificação da matriz elétrica e benefícios sistêmicos para todos os consumidores brasileiros. O Brasil tem tudo a ganhar com a fonte e está avançando para se tornar uma grande liderança mundial neste setor, cada vez mais estratégico no mundo”, destaca o CEO da Absolar, Rodrigo Sauaia.


 Fonte: Thiago Nassa - Assessoria de Imprensa

Ministério da Economia lança “Balcão Único”, para simplificar abertura de empresas

Por meio de um formulário único e digital, empreendedores podem abrir empresas em apenas um dia

e sem necessidade de percorrer vários órgãos públicos

O Ministério da Economia lançou o “Balcão Único”, um sistema que permite a qualquer cidadão abrir uma empresa de forma simples e automática, reduzindo o tempo e os custos para iniciar um negócio no Brasil. O projeto – liderado pela Secretaria Especial da Receita Federal e pela Secretaria Especial de Desburocratização, Gestão e Governo Digital do ME – foi desenvolvido pelo Serviço Federal de Processamento de Dados (Serpro).

A primeira cidade a aderir ao projeto foi São Paulo, que tornou disponível o novo sistema no dia 15/01/21, para os interessados em abrir um negócio no município. A próxima cidade a oferecer a facilidade aos empreendedores será o Rio de Janeiro. A implementação do Balcão Único é feita em parceria entre o governo federal e os governos municipais e estaduais. O Balcão Único é uma integração de dados entre os órgãos de cada esfera de governo. O sistema é disponibilizado pela Junta Comercial do estado.

“Os empreendedores podem abrir uma empresa muito mais rapidamente, sem burocracia, sem perder tempo com exigências e deslocamentos desnecessários, resolvendo tudo em um só lugar. Vamos colocar o Brasil no caminho das melhores práticas internacionais para a abertura de negócios”, afirma o secretário especial de Desburocratização, Gestão e Governo Digital do Ministério da Economia, Caio Mario Paes de Andrade.

De acordo com o último relatório do Banco Mundial, divulgado em outubro de 2019, para abrir uma empresa nas cidades do Rio de Janeiro e São Paulo, era necessário cumprir 11 procedimentos – alguns, em órgãos distintos – o que levava, em média, 17 dias e gerava um custo que representa 4,2% da renda per capita. Essa burocracia colocou o Brasil na 138ª posição no quesito “abertura de empresas”, entre os 190 países avaliados pelo Banco Mundial.

"Trata-se de inovação e simplificação importante para o ambiente de negócio brasileiro, que busca reduzir o número de procedimentos para abrir pessoas jurídicas no país. Esta diminuição de etapas garantirá que o Brasil atinja melhor pontuação no ranking Doing Business no quesito abertura de empresas, principalmente em um cenário de retomada da economia", ressalta o secretário especial da Receita Federal do Brasil, José Barroso Tostes Neto.

Com o Balcão Único, a coleta de todos os dados necessários para o funcionamento da empresa é feita pelo preenchimento de um formulário eletrônico único, disponível na internet. Anteriormente, em São Paulo, o empreendedor tinha que entrar em quatro portais diferentes – dois no governo federal, um no estado e um no município – para realizar o registro e dar início ao funcionamento da empresa, além de realizar outros sete procedimentos medidos pelo Banco Mundial.

Agora, tudo pode ser feito em um só ambiente virtual: recebimento das respostas necessárias da Prefeitura; registro da empresa; obtenção do número do Cadastro Nacional de Pessoa Jurídica (CNPJ) e inscrições fiscais; desbloqueio do cadastro de contribuintes; recebimento das licenças, quando necessárias; e ainda o cadastro dos empregados que serão contratados. O Balcão Único permitirá que os empreendedores possam, no momento da abertura da empresa, realizar o cadastro de empregados pelo e-Social. 

Depois de São Paulo e Rio de Janeiro – cidades com maior concentração de negócios no país – o governo federal pretende expandir o projeto para todo o Brasil, estimulando empreendedores brasileiros e estrangeiros que queiram investir no país.


Fonte: Ministério da Economia

O que é empreendedorismo de impacto social?

Prof. Marcus Nakagawa

 

O empreendedorismo vem crescendo nestes últimos anos como uma alternativa de sobrevivência e busca de realização pessoal. Muitas pessoas acham que empreender é somente ter uma ideia e colocar em prática sem nenhuma preparação prévia. Às vezes sabemos que este “bota para fazer” é necessário para conseguir pagar as contas, os boletos e colocar o alimento na mesa de casa. Segundo a pesquisa Global Entrepreneurship Monitor (GEM) que é realizado desde 2002 em vários países do mundo, no Brasil em 2019 cerca de 88% dos empreendedores iniciais concordaram com a opção de resposta de que a motivação para empreender era para ganhar a vida porque os empregos estão escassos. Mas também colocaram que começaram um empreendimento para fazer a diferença no mundo, sendo 51,4% dos respondentes.

Nesta mesma pesquisa mostra que temos 38,7% do percentual da população de 18 a 64 anos empreendendo no país, sendo que este dado em 2002 era 20,9%. As mulheres, pessoas negras e entre 34 e 55 anos, são as que mais empreendem por motivo de não terem emprego.

Segundo o Sebrae, na pesquisa GEM que está sendo compilada de 2020, o Brasil deve atingir o maior patamar de empreendedores iniciais dos últimos 20 anos com um quarto da população adulta do país empreendendo, principalmente devido à crise da pandemia do Covid.

Pois é, “ter o próprio negócio” é o quarto sonho mais citado (37%) nesta pesquisa GEM 2019, sendo maior que “fazer carreira numa empresa” (23%). O sonho das gerações passadas de entrar na “Firma”, trabalhar bastante e se aposentar bem na mesma empresa já começa a diminuir.

A pesquisa Panorama de Negócios Digitais Brasil 2020, realizada pela Hero Spark, mostrou que 54% dos empreendedores digitais começaram seus negócios há menos de 1 ano. Na pesquisa de 2020 do Instituto Rede Mulher Empreendedora (IRME) 36% das empreendedoras indicaram que o faturamento não foi impactado ou que aumentaram o faturamento durante a pandemia e 66% das mulheres se mostraram mais confiantes com o futuro nos seus negócios.

Sim temos que ter mais confiança neste momento em que estamos buscando alternativas para sair deste problema pandêmico no país. Porém temos e agravará muito os desafios sociais relacionados às melhorias na saúde, atualização e desenvolvimento da educação, necessidade de tirar muita gente da linha extrema da pobreza, falta de alimentação básica e adequada, muita violência doméstica contra a mulher e as crianças, toxicodependência, racismo, queimadas, desmatamento, entre outros.

A ideia não é ter uma taquicardia olhando este “copo meio vazio” das dificuldades, mas sim encarar estes desafios como uma jornada a ser percorrida, usando a inovação e a criatividade, que temos muito no Brasil, para resolver estes problemas de forma planejada e empreendedora.

Bill Drayton, professor e idealizado da Ashoka, coloca que o empreendedor de impacto social é aquele profissional que aponta tendências e traz soluções inovadoras para problemas sociais e ambientais, seja por enxergar um problema que ainda não é reconhecido pela sociedade ou por vê-lo por meio de uma perspectiva diferente.

Exatamente como devemos agir neste momento! Buscar outro prisma e trazer novas percepções para empreendermos com uma ação social, um projeto social, uma organização sem fim de lucros ou até um negócio que ajude e busque impactar positivamente nas questões sociais e ambientais. Temos sim o poder de fazer a diferença no mundo, como mostrou a pesquisa GEM.

Busque conhecer mais profundamente os problemas social ou ambiental que você quer ajudar a resolver, com dados e informações confiáveis. Pense numa solução que cause impacto positivo efetivo num formato de projeto, produto ou serviço. Planeje, modele, teste, pivote e faça de novo! Não é fácil, mas busque sempre mais conhecimento, capacitação e continue.

Pois isso é o que vale a pena na nossa vida! Autodesenvolvimento sempre!


Marcus Nakagawa é professor da ESPM; coordenador do Centro ESPM de Desenvolvimento Socioambiental (CEDS); idealizador e conselheiro da Abraps; e palestrante sobre sustentabilidade, empreendedorismo e estilo de vida. Autor dos livros: Marketing para Ambientes Disruptivos e 101 Dias com Ações Mais Sustentáveis para Mudar o Mundo (Prêmio Jabuti 2019).