Bombeiros confirmam fim dos incêndios florestais na região da Chapada

 

O Corpo de Bombeiros Militar da Bahia afirmou que acabaram os incêndios florestais na região da Chapada Diamantina. Após o sobrevoo realizado no final da tarde do dia 12/10/20, não foi identificado nenhum foco de incêndio na área atingida e que vinha sendo monitorada. Com o fim dos incêndios na região, os bombeiros, brigadistas e demais órgãos encerraram todas as atividades na base montada em Mucugê na manhã desta terça-feira, 13/10/20.

Segundo o capitão Murilo Rocha, comandante da operação, o prazo inicial de 72 horas para decretação do encerramento das atividades foi antecipado devido à conjunção de fatores, incluindo os 53 milímetros de chuva que caíram na região na última noite e madrugada de hoje. “Já no primeiro monitoramento que realizamos hoje, foi possível constatar que toda a extensão atingida pelo incêndio está completamente encharcada e os rios estão bastante cheios. Em alguns pontos os rios transbordaram e isso demonstra que houve uma grande precipitação pluviométrica. Pelo grande acúmulo de água, podemos garantir que o incêndio está extinto”, afirmou.

O combate aos incêndios na região foi iniciado pelos bombeiros militares dia 06/10/20. Desde então, o Governo do Estado viabilizou o envio de seis aviões air track e um helicóptero do Grupamento Aéreo da Polícia Militar para auxiliar na contenção das chamas. O trabalho contou com o empenho de 37 bombeiros militares e mais de 200 brigadistas ligados a órgãos ambientais e voluntários.

As seis aeronaves lançaram mais de 450 mil litros de água na área atingida e realizaram 105 horas de voos. Com o helicóptero foram 16 horas de voos distribuídas entre atividades de monitoramento, lançamento e extração de bombeiros e brigadistas. A aeronave também foi utilizada para a entrega de equipamentos e refeições aos combatentes que se encontravam em área de difícil acesso.

Com incêndio controlado, Corpo de Bombeiros continuou monitorando a região

O avanço do trabalho do Corpo de Bombeiros Militares da Bahia em conjunto com brigadistas e órgãos ambientais na Chapada Diamantina permitiu a evolução para uma próxima etapa que inclui uma desmobilização parcial de equipes. Entretanto, a maior parte dos profissionais e combatentes envolvidos permaneceu na base montada em Mucugê para monitoramento da situação, bem como para combate a novos focos de incêndios, caso voltem a ocorrer.

De acordo com o comandante da operação, capitão bombeiro militar Murilo Rocha, foram liberadas as brigadas voluntárias e oito bombeiros militares. “É importante que todos saibam que o Corpo de Bombeiros continua em Mucugê. A desmobilização parcial foi iniciada porque neste momento o incêndio está controlado. Agora estamos avaliando o cenário e a complexidade da situação e eventual possibilidade de uma nova redução da equipe”, explicou.

Ainda segundo o capitão, mesmo as brigadas voluntárias que foram liberadas para o descanso continuam de sobreaviso. Dois aviões air tractor utilizados no combate às chamas foram retirados de operação. Outros quatro aviões do modelo e contratados pelo Governo do Estado continuam à disposição para eventuais novas operações. As brigadas institucionais do ICMBio, PrevFogo e Corpo de Bombeiros, com cerca de 30 homens, permanecem realizando a vigilância e monitoramento de toda a região.

Planejamento

Outro trabalho tão importante quanto o realizado pelos brigadistas e bombeiros da linha de frente é o planejamento que dá suporte às operações. Representantes de órgãos, como a Secretaria de Meio Ambiente do Estado (Sema), Defesa Civil, Inema e Corpo de Bombeiros seguem trabalhando na base de Mucugê para viabilizar as ações que realizadas neste incidente, assim como para operações futuras.

O coordenador de políticas e projetos da Sema, Pablo Rebelo, falou sobre o trabalho realizado pelo grupo. “A situação hoje está sob controle, mas não significa que há desmobilização total do efetivo. Aqui no planejamento trabalhamos para que numa eventual reignição do fogo, as equipes tenham condições de ir a campo e contem com uma estrutura preparada. A gente prevê desde a aquisição de novos equipamentos de proteção individual até a utilização de aeronaves para atender as regiões da Chapada Diamantina e Oeste. É um trabalho de estruturação do combate aos incêndios florestais”.

Controle veio após seis dias de combate na Chapada Diamantina

Bahia Com 37 profissionais trabalhando para conter o avanço das chamas, o Corpo de Bombeiros da Bahia alcançou resultados positivos. O Governo do Estado viabilizou o envio de seis aviões air tractor, por meio do programa Bahia Sem Fogo, para que fossem utilizados no combate aos incêndios. Cada aeronave tem capacidade para transportar até dois mil litros de água que são despejados, em apenas dois segundos, nas áreas que foram previamente identificadas e monitoradas pelos bombeiros, brigadistas e órgãos ambientais.

As atividades têm o comando do capitão do Corpo de Bombeiros, Murilo Rocha, com atuação de forma integrada com brigadistas voluntários e outros contratados pelo ICMBio e do PrevFogo. Um helicóptero do Grupamento Aéreo da Polícia Militar da Bahia deu apoio às operações, sendo utilizada para monitoramento da área queimada, bem como para o transporte de bombeiros e brigadistas que precisam combater o fogo em áreas de difícil acesso. No domingo, as atividades de combate ao fogo se concentraram entre os municípios de Mucugê e Andaraí. Além disso, a gestão estadual, por meio da Superintendência de Defesa Civil do Estado, realizou a entrega de equipamentos de proteção individual e algumas ferramentas que auxiliam no trabalho realizado pelos brigadistas. A atuação da Defesa Civil tem sido de articulação com os demais órgãos e a sociedade civil organizada, que recebeu, equipamentos de proteção individual, ferramenta de combate.

Decreto de situação de emergência

Em 10/10/20, o Governo do Estado decretou situação de emergência em 73 municípios atingidos pelos incêndios florestais, situados nos Territórios de Identidade Bacia do Paramirim, Bacia do Rio Corrente, Bacia do Rio Grande, Chapada Diamantina e Velho Chico. O decreto tem vigência de 90 dias.

O decreto suspende nessas áreas quaisquer atividades capazes de produzirem risco potencial de geração de novos focos de incêndio e visa também amenizar os impactos negativos na saúde da população, no meio ambiente e na economia local.

Os municípios em situação de emergência são: Abaíra, Andaraí, Angical, Baianópolis, Barra, Barra da Estiva, Barreiras, Bom Jesus da Lapa, Boninal, Bonito, Boquira, Botuporã, Brejolândia, Brotas de Macaúbas, Buritirama, Canápolis, Carinhanha, Catolândia, Caturama, Cocos, Coribe, Corretina, Cotegipe, Cristópolis, Érico Cardoso, Feira da Mata, Formosa do Rio Preto, Ibicoara, Ibipitanga, Ibitiara, Ibotirama, Igaporã, Iramaia, Iraquara, Itaetê, Jaborandi, Jussiape, Lençóis, Luís Eduardo Magalhães, Macaúbas, Malhada, Mansidão, Marcionílio Souza, Matina, Morpará, Morro do Chapéu, Mucugê, Muquém de São Francisco, Nova Redenção, Novo Horizonte, Oliveira dos Brejinhos, Palmeiras, Paramirim, Paratinga, Piatã, Riachão das Neves, Riacho de Santana, Rio de Contas, Rio do Pires, Santa Maria da Vitória, Santa Rita de Cássia, Santana, São Desidério, São Félix do Coribe, Seabra, Serra do Ramalho, Serra Dourada, Sítio do Mato, Souto Soares, Tabocas do Brejo Velho, Utinga, Wagner, Wanderley.

 


Fonte: Secom GovBA - Fotos: Paula Fróes

© 2020 - Jornal do Sol - Informação com Credibilidade