La Torre marca Semana do Meio Ambiente com programação especial

 

A Semana Nacional do Meio Ambiente foi marcada no Grupo Hoteleiro La Torre por uma programação diversificada, desenvolvida ao longo do ano com a participação de colaboradores de diversas áreas. Entre outras atividades, houve plantio de árvores e realizadas oficinas, gincanas sustentáveis e caminhadas com os hóspedes.

Foram doadas 1500 mudas, 500 produzidas dentro do resort pela equipe de jardinagem, utilizando o ciclo de compostagem desenvolvido internamente. As outras 1.000, todas de espécies nativas da região, o grupo adquiriu da Aldeia Indígena Boca da Mata.

Houve distribuição de mudas e sementes na praça do Porto Plaza Shopping, no Centro.  Em Trancoso, em frente ao Gino Gastronomia e Hotel Casa La Torre.

 

 

A Feito Novo Projetos Socioambientais ministrou oficina de reutilização de resíduos recicláveis gerados dentro da própria empresa. Participaram colaboradores que desenvolveram projeto para a decoração da junina do resort.

Com uma gestão voltada ao ESG (sustentabilidade ambiental, social e de governança corporativa), o La Torre apoiou duas iniciativas com foco em conscientização ambiental: oficinas da Verdejar, na Escola Municipal Nilzenil de Almeida Nobre, no Arraial d'Ajuda; e o MICAS (Mostra Itinerante de Cinema Ambiental e Sustentabilidade), em Vale Verde.

 

Iniciativas sustentáveis

O Resort La Torre conta hoje com usina fotovoltaica, caminhando para uma operação com 100% de energia renovável. Há também biodigestores, ponto com carregador veicular elétrico, Eco Ponto e área de compostagem.

Faz parte do Pacto Global da ONU e possui parcerias com importantes iniciativas como a Comida Invisível e a Futuri. Participa de ações como o Dia Mundial da Limpeza, organizado pelo Plogging Porto Seguro. E fóruns no SENAC, como, por exemplo, em parceria com o Instituto Lixo Zero.


Com informações e foto de Antonio Alberghini - Midia Mutá

Siga o Jornal do Sol no Instagram

 

LEIA TAMBÉM:

Porto Sport faz história e estreia com empate na Série B do Baianão

Comitê debate criação de unidade de conservação na bacia da Lagoa Azul

Grupo La Torre compra também o Cine Plaza

Grupo La Torre compra o Porto Plaza Shopping

Desperdício de alimentos é tema de encontro de startup e Grupo La Torre

Comitê debate criação de unidade de conservação na bacia da Lagoa Azul

 

O Comitê das Bacias Hidrográficas dos Rios Frades, Buranhém e Santo Antônio (CBHFRABS) realizou mais uma plenária com foco na preservação do bioma. Na Estação Veracel, foram debatidos, no final de maio, assuntos como a identificação de áreas prioritárias para recuperação da vegetação nativa; e a apresentação de estudos técnicos para criação de uma unidade de conservação na bacia da Lagoa Azul, no Arraial d'Ajuda.

 

 

Os comitês reúnem poder público, sociedade civil e usuários de água não só para dialogar, como para tomar decisões em conjunto.  “Foi uma reunião muito produtiva. Houve a discussão de uma série de temas muito relevantes, tanto para o nosso estado como para a área de abrangência das nossas Regiões de Planejamento e Gestão das Águas (RPGAs)”, disse o presidente do comitê, Marcos Eduardo Cordeiro Bernardes.

A analista ambiental do Ibama (Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis), Samanta Levita, falou sobre o trabalho de identificação de áreas prioritárias para a recuperação e conservação da vegetação nativa nos biomas da Bahia. “A gente escolheu começar pelo comitê. Projetos de restauração envolvem a opinião das pessoas. Quanto mais as decisões são tomadas de forma participativa, mais esses projetos dão certo. Isso é algo que a gente já aprendeu com a experiência”.

 

 

A criação de uma unidade de conservação na bacia da Lagoa Azul foi apresentada pelo biólogo e consultor ambiental da Floram Engenharia e Meio Ambiente, Francisco Dutra.  Segundo ele, “os desafios da preservação da Lagoa Azul têm a ver principalmente com a forte expansão imobiliária presente em todo o litoral brasileiro, especificamente em áreas de grande interesse turístico”.

 

Comitês Estaduais de Bacias Hidrográficas da Bahia

Os Comitês de Bacias Hidrográficas são espaços onde representantes dos poderes públicos, usuários de água e sociedade civil se reúnem para discutir e deliberar sobre como gerenciar de forma sustentável e justa os recursos hídricos das bacias hidrográficas.

A Bahia é composta por 14 Comitês Estaduais de Bacias Hidrográficas e 01 Comitê Interestadual de Bacia Hidrográfica (localizada nos estados da Bahia e Minas Gerais e faz parte do Comitê da Bacia Hidrográfica do São Francisco).

 

Rios dos Frades, Buranhém e Santo Antônio

O Comitê das Bacias Hidrográficas dos rios dos Frades, Buranhém e Santo Antônio (CBHFRABS) foi criado pelo Decreto nº 14.244 de 18/12/2012 e possui 42 membros, dentre titulares e suplentes.

Durante o ano, são realizadas quatro plenárias ordinárias para que os representantes discutam sobre assuntos relacionados à água. E as reuniões são sempre abertas à população que queira participar.

Engloba 10 municípios e 11 mil Km² de área (Porto Seguro, Eunápolis, Guaratinga, Itabela, Santa Cruz Cabrália, Prado, Belmonte, Itagimirim, Itamaraju e Itapebi). O bioma é constituído pelas porções das Bacias Hidrográficas dos rios Santo Antônio, João de Tiba, Frades, Caraíva, Queimado e pequenos rios próximos à linha de costa, além da porção estadual do Rio Buranhém, que deságua no Oceano Atlântico.

Também concentra-se nesta RPGA um grande número  de  unidades  de  conservação,  inclusive  o maior  fragmento de Mata Atlântica do Nordeste; complexo dos Parques Nacional do Monte Pascoal  e Descobrimento, bioma  tropical mais ameaçado de extinção do planeta. Estas matas também são Patrimônio Natural Mundial, tombadas pela UNESCO.


Com informações da assessoria de imprensa - Foto principal: Arquivo Jornal do Sol - agosto/1995; Foto reunião: Marcos Bernardes

Siga o Jornal do Sol no Instagram

LEIA TAMBÉM:

Polícia Civil incinera drogas apreendidas na Costa do Descobrimento

Chalés da Floresta: opção de hospedagem e ecoturismo em meio à natureza

SAMU realiza treinamento com simulação realística de acidente grave

Professor e escritor, Eder Rodrigues toma posse na Academia de Letras

Eco Bahia Hotel promove temporada de forró até o final de junho

Fundo promove estudo de restauração florestal entre Vitória e Porto

 

Profissionais, instituições, lideranças e empresas que desenvolvem projetos socioambientais com foco na restauração de paisagens e regeneração de matas nativas podem participar do 3º Study Tour Brasil, promovido pelo FASB (Fundo Ambiental Sul Baiano).

Serão seis dias, de 13 a 18/05, com programação que inclui visitas a iniciativas de sucesso e uso sustentável do solo em comunidades tradicionais e propriedades privadas entre Vitória/ES e Porto Seguro. Essa região, chamada de Hileia Baiana, compõe uma das áreas com o maior número de fragmentos florestais significativos para a conservação da Mata Atlântica.

 

 

O roteiro começa na capital capixaba e passa por Aracruz, Itaúnas, Viveito Anauá (Teixeira de Freitas), Cumuruxatiba e Parque Pau-Brasil, com encerramento na UFSB, em Porto Seguro. Com vagas limitadas, as inscrições são online pelo site do FASB e vão até 07/05. A taxa é R$ 4 mil, incluindo transfers, alimentação e hospedagem.

O estudo inclui vivências e questionamentos de como reforçar a governança; como garantir apoio financeiro inovador para a construção de um corredor; como a cadeia de produção associada à restauração pode satisfazer as necessidades das ações de restauração; entre outros.

 

Investimento em projetos

Para Márcio Braga, coordenador geral do FASB, “este será um momento para refletir sobre o desenvolvimento de projetos que reestruturem a cobertura vegetal de um dos ecossistemas mais importantes do país, com destaque na aplicação de novas tecnologias, investimento de recursos financeiros, parcerias institucionais, geração de renda e eficiência.”

3º Study Tour Brasil conta com apoio do WWF-Brasil, que atua coletivamente na conservação ambiental da região da Hileia Baiana; e do Diálogo Florestal, por meio do Fórum Florestal da Bahia, espaço permanente de diálogo da sociedade sobre as florestas no Sul e Extremo Sul baiano.

"A expansão do FASB para o Espírito Santo é uma oportunidade de fortalecer a cadeia da restauração na região e de apoiar as organizações na implementação de projetos desenvolvidos localmente", afirma Daniel Venturi, especialista de Conservação e líder da estratégia de Mata Atlântica do WWF-Brasil.

De acordo com a secretária executiva do Fórum Florestal da Bahia, Erica Munaro, “o Study Tour será uma oportunidade de nos aproximar das diferentes realidades de comunidades e instituições que estão atuando na construção de soluções para uso e conservação de paisagens sustentáveis. Dessa forma, poderemos refletir sobre os desafios e oportunidades visando a conectividade da rica biodiversidade existente no Corredor Central da Mata Atlântica”.

Além da programação, ocorrerá o lançamento do segundo ciclo de investimentos do FASB em projetos socioambientais de origem do sul da Bahia e expandindo para o norte do Espírito Santo, divulgando o período e o processo de inscrição de novos projetos.


Com informações de Karina Gerin - Foto: Ascom FASB

 

Siga o Jornal do Sol no Instagram

 

LEIA TAMBÉM:

Com auxílio de cão farejador, PM prende quadrilha que invadiu casa no Arraial

TripAdvisor divulga os melhores de 2024; confira quem se destacou na região

Latam duplica operação entre os aeroportos de Porto Seguro e Congonhas

Nelma Fidelis realiza sonho e publica livro dedicado ao empresário

Bartender do Arraial é semifinalista de concurso nacional de drinks

Fundo anuncia investimento de 8 milhões de Euros em projetos ambientais

 

O FASB (Fundo Ambiental Sul da Bahia) anunciou seu segundo ciclo de investimentos. Dessa vez, o programa prevê recursos de oito milhões de Euros aportados durante três anos. O objetivo é a formação de um grande corredor ecológico de 500 Km na Hileia Baiana, entre o norte do Espírito Santo e o Extremo Sul da Bahia.

 

 

Para viabilizar esse corredor, os valores serão aplicados em projetos para cumprir três metas: a implantação de 1.500 hectares de restauração ecológica; o manejo sustentável para a formação de corredores ecológicos; e a conexão de cerca de 170 mil hectares de fragmentos florestais.

 

Novos parceiros

A empresa dinamarquesa Kirkbi, investidora âncora desde o início do FASB em 2021, aumenta em mais de um terço o seu investimento nesse novo ciclo do Programa FASB, mantendo a britânica iNovaland como a gestora do Programa.

 

O investimento da Kirkbi será dobrado por meio de dois novos parceiros: o FASB-Floresta Viva, junto com o BNDES e o Fundo Brasileiro para a Biodiversidade (FUNBIO), financiando projetos socioambientais de instituições regionais; e o Corredor da Mata, com a Suzano, fomentando junto a produtores rurais adequação ambiental e ações de restauração e manejo sustentável no corredor planejado.

 

Hileia Baiana

Hileia Baiana é o nome dado à Floresta Atlântica de Tabuleiro. Ela foi uma das últimas a ser desmatada em larga escala, tendo perdido a maior parte da sua cobertura florestal entre as décadas de 1960 e 1980.

 

Compõem a Floresta Atlântica de Tabuleiro a Reserva Biológica de Sooretama; a Reserva da Vale; duas Reservas Particulares do Patrimônio Natural (RPPNs) da Suzano; e o Parque Nacional do Monte Pascoal.

 

Repercussão

Segundo Márcio Braga, coordenador do FASB, “este novo ciclo reflete a importância ambiental e social dos resultados alcançados durante o primeiro ciclo de trabalho. E a vontade que os investidores têm em conservar, restaurar e reconectar os remanescentes da Mata Atlântica”.

 

“Queremos que continue a trazer projetos que proporcionem valor real às comunidades, garantindo que os objetivos se baseiem nas prioridades locais. Nosso foco é investir em restauração florestal, agrossilvicultura e para a conexão de fragmentos florestais que promovam um impacto positivo na paisagem, na conservação da biodiversidade, na segurança alimentar e no incremento da renda familiar”, acrescenta.

 

Lars Hyldgaard Olesen, diretor de Programas da KIRKBI, comenta sobre a renovação da parceria. “Estamos muito satisfeitos com os resultados do primeiro ciclo de apoio do FASB às comunidades locais na restauração florestal. Com este novo ciclo, esperamos expandir a rede com investidores adicionais para ampliar as atividades, mantendo, ao mesmo tempo, o engajamento local”.

 

Helena Pavese, gerente executiva de Sustentabilidade da Suzano, destaca que o Projeto Corredor da Mata “faz parte de um dos nossos Compromissos para Renovar a Vida. Na Mata Atlântica, pretendemos conectar por meio do grande corredor planejado desde Linhares/ES até Porto Seguro. A parceria com o FASB fortalece ainda mais essa iniciativa”.

 

Study Tour

O Study Tour foi uma jornada de seis dias, entre 13 a 18/05, da capital capixaba a Porto Seguro. Participaram 60 pessoas, entre desenvolvedores de projetos, empresas, comunidades tradicionais, poder público e investidores.

 

 

Além das visitas em campo, o grupo discutiu novas ideias para projetos e trocaram experiências práticas e teóricas. A cerimônia de encerramento aconteceu dia 18/05 no Hotel Ramada, em Porto Seguro.

 

Sobre o FASB

O FASB é um programa de incubação e aceleração que acompanha o ciclo de projetos em suas várias etapas, fornecendo assistência técnica desde a origem até a implementação completa, apoiando a evolução dos projetos desde os estágios iniciais até que estejam prontos.

 

Com início em abril de 2021, o Fundo Ambiental FASB investiu 3 milhões de Euros em 45 projetos socioambientais de 34 instituições diferentes em 23 municípios no Extremo Sul da Bahia. O FASB conta com equipes locais e remotas especializadas em projetos socioambientais que atua fortemente nas regiões onde estão localizados os projetos.

 

Saiba mais no site do FASB.


Com informações e fotos de Karina Gerin

 

Siga o Jornal do Sol no Instagram

 

LEIA TAMBÉM:

Grupo La Torre compra também o Cine Plaza

Vale Verde sedia mostra de cinema com plantio de mudas e roda de conversa

Governo do Estado entrega maior hospital público do Extremo Sul

Porto Seguro tem quatro projetos selecionados no Novo PAC

BRT Lounges inaugura no aeroporto de Porto Seguro sua 1ª sala VIP do país

 

 

Diesel passa a ter 14% de biocombustível em sua fórmula

A partir do dia 1 de março, em cumprimento a decisão do Conselho Nacional de Política Energética, passa a valer o aumento do percentual de de 12% para 14% de biocombustível na mistura do diesel. Na mesma data do próximo ano, este percentual passará a 15% (B15).

O ministro de Minas e Energia, Alexandre Silveira, ressaltou que a importante medida contribui para a descarbonização do transporte de cargas rodoviário, um dos setores essenciais do País.

"Com isso, fortalecemos não só o nosso agronegócio, mas a agricultura familiar, combatendo as desigualdades e respeitando as vocações regionais. Prova disso é o decreto de reformulação do Selo Biocombustível Social, que editamos recentemente, fazendo com que toda a cadeia produtiva se desenvolva, desde o pequeno cooperado que tem a sua plantação até a grande usina produtora de biodiesel", salientou.

Demanda

O crescimento da demanda por biodiesel, promete ajudar a geração de renda. Estima-se que cerca de 14 mil empregos devem surgir em 2024. Além disso, o ganho em segurança energética nacional tende a evitar a importação de 2 bilhões de litros de diesel A e a redução dos gastos com importação do derivado fóssil em R$ 7,2 bilhões. Outro benefício será o de reduzir a capacidade ociosa das usinas instaladas. O aumento da demanda de matéria-prima, sobretudo da soja, será de 6 milhões de toneladas do grão até 2025, quando será adotado o B15.


Com informações e foto do Ministério de Minas e Energia 

Siga o Jornal do Sol no Instagram

LEIA TAMBÉM:

PIX acaba com DOC e TEC

Proprietário e prefeitura têm impasse em caso de servidão na Estrada da Balsa

Casa pega fogo no Areião; vaquinha está sendo feita para reconstrução

Repasse do governo para UFBA é 7% menor que do ano passado

Em oito semanas, Brasil registra mais de 973 mil casos de dengue