PIS/Pasep: valores ainda não resgatados somam R$ 562 milhões

R$ 562 milhões. Esta é a soma dos valores provenientes do PIS/Pasep e que ainda não foram resgatados pelos trabalhadores brasileiros, segundo o Ministério do Trabalho e Previdência (MTP).  

O MTP revelou ainda que do total, R$ 248 milhões são referentes ao PIS e que há 252.699 de pessoas para recebê-lo. Já no Pasep, são R$ 314,8 milhões que 596.917 pessoas ainda não sacaram. Apesar do grande número de benefícios não sacados, mais de 97% dos pagamentos já foram feitos.

Trabalhadores

O Programa de Integração Social (PIS) foi criado para quem trabalha em empresas públicas, o Programa de Formação do Patrimônio do Servidor Público (Pasep) é voltado para os trabalhadores da iniciativa privada e são pagos pela Caixa Econômica Federal e pelo Banco do Brasil, respectivamente.

Para ter direito a receber o valor que varia de R$ 101 a R$1.212 (valor máximo do benefício), o profissional precisa ter pelo menos um registro em carteira profissional, contanto que passe de 30 dias e tenha sido há cinco anos. É necessário que o cidadão tenha passado pelo menos 39 dias registrado no ano base do pagamento. O ano de pagamento atual é 2020. Dessa forma, a pessoa precisa ter trabalhado registrada por pelo menos um mês.

Saque

O saque pode ser feito presencialmente em uma agência da Caixa (funcionário de empresa privada) ou do Banco do Brasil (cargos públicos) ou ainda enviar e-mail, usar o aplicativo ou telefone para solicitar o pagamento.

Para saque em espécie, e de forma presencial, o trabalhador precisará ir a uma das unidades de atendimento do Ministério do Trabalho e Previdência.

Retroativos

O Governo Federal liberou o resgate do PIS/PASEP para os trabalhadores que não sacaram o benefício durante o período de vigência do calendário no início deste ano. Este retroativo ficará disponível até dezembro de 2022 para o resgate do ano-base 2020.

O atraso é justificado pelos impactos econômicos da pandemia da Covid-19, resultando na suspensão temporária do abono salarial em 2021. Na época, a verba do programa foi redirecionada ao custeio do Benefício Emergencial de Manutenção do Emprego e da Renda (BEm).

Para receber o benefício, é necessário solicitar a reemissão formalmente. O pedido pode ser feito de presencialmente, com um documento com foto em uma das unidades regionais do Ministério do Trabalho para abertura de recurso administrativo ou pelo e-mail trabalho.uf@economia.gov.br, colocando no lugar de “uf” a sigla do estado em que o trabalhador reside.

Se o resgate não for realizado até o prazo final, os valores poderão ser adquiridos somente no calendário do próximo ano, também perante a solicitação de reemissão.

Saiba quem não têm direito ao abono:

Empregado (a) doméstico (a);

Trabalhadores rurais empregados por pessoa física;

Trabalhadores urbanos empregados por pessoa física;

Trabalhadores empregados por pessoa física equiparada a jurídica.


 Com informações do MTP Foto: Reprodução 

Siga o Jornal do Sol no Instagram

LEIA TAMBÉM:

Porto Seguro inicia vacinação antirrábica em bairros rurais e distritos

Proibição de publicidade eleitoral no rádio e TV começa sábado

Após recesso, Câmara realiza retoma sessão legislativa

Prazo para solicitar direito ao voto em trânsito termina dia 18/08

Comissão Municipal luta pela erradicação do trabalho infantil

Consultoria confirma Veracel como uma das melhores empresas para trabalhar

A Veracel Celulose é mais uma vez destaque no ranking elaborado pela Great Place To Work (GPTW), consultoria global que avalia e certifica ambientes de trabalho em mais de 60 países. Pela terceira vez consecutiva, a empresa figurou como uma das 10 melhores para trabalhar na Bahia. A 9ª edição do ranking na Bahia contou com 32 empresas inscritas.

“Estamos muito orgulhosos porque este é reconhecimento das ações que estamos desenvolvendo e uma demonstração de que somos uma empresa responsável. As pessoas estão no centro nas nossas decisões, e isso contribui fortemente tanto para a atração de talentos quanto para que eles se desenvolvam dentro da companhia”, destaca Caio Zanardo, diretor-presidente da Veracel.

O processo de avaliação do ranking é composto por duas etapas, que impactam na fase final. A metodologia consiste na análise de uma pesquisa com os colaboradores e em uma avaliação das práticas culturais de cada empresa. Este é um reconhecimento tanto para a liderança da empresa quanto para cada colaborador que faz da Veracel este excelente lugar para trabalhar.

Sobre a Veracel Celulose      

A Veracel Celulose celebra 31 anos de atuação em 2022. Com a fábrica em Eunápolis, a companhia integra operações florestais, industriais e de logística em mais 10 outros municípios da região. É responsável pela produção 1,1 milhão de toneladas de celulose/ano.

100% da madeira de eucalipto utilizada no processo produtivo é certificada ou controlada em conformidade aos princípios e critérios de padrões normativos internacionais FSC e CERFLOR. Com 50% de participação cada, seus acionistas são duas grandes operadoras no setor de celulose e papel em âmbito internacional: a brasileira Suzano e a sueco-finlandesa Stora Enso.

Além dos mais de 100 mil hectares de área protegida ambientalmente, é guardiã da maior Reserva Particular do Patrimônio Natural de Mata Atlântica do Nordeste brasileiro, a Estação Veracel, que recebeu o Certificado de Serviços Ecossistêmicos do Forest Stewardship Council® - FSC® C017612, emitido no Brasil pela certificadora Imaflora.

Incluindo os contratos de parceria com produtores locais, que totalizam mais de 20 mil hectares, a Veracel gera hoje 3.191 empregos diretos e cerca de 16 mil beneficiados pelas iniciativas, desenvolvidas nos últimos anos, nos setores de educação, saúde e geração de renda.


Com informações e foto da Assessoria de Imprensa da Veracel

Siga o Jornal do Sol no Instagram

LEIA TAMBÉM:

Cidadão pode escolher como quer responder ao Censo

Marinha realiza concurso público para técnicos em Eletroeletrônica e Mecânica

Festival Esquina do Mundo já está com inscrições abertas

Veracel monitora temporada reprodutiva de tartarugas marinhas

Veracel apresenta Relatório de Sustentabilidade de 2021

Cempre divulga dados do setor empresarial baiano; crescimento em 2020 é de 1,6%

Nesta quinta-feira, dia 23 de junho, o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) divulgou informações do Cadastro Central de Empresas (Cempre). Atualizado anualmente o documento reúne informações de empresas e outras organizações inscritas no Cadastro Nacional da Pessoa Jurídica (CNPJ), da Secretaria Especial da Receita Federal. Uma das informações mais relevantes do Cempre baiano é que em 2020 houve crescimento de 1,6% (4.098 novas unidades ativas) do setor empresarial, impulsionado principalmente pelo aumento no número de microempresas (ME) com até 9 empregados, que representam 87,8% do total de empresas ativas na Bahia, em 14 das 21 seções da Classificação Nacional de Atividades Econômicas (CNAE).

Em todos os demais grupos de empresas por porte, houve queda do número de unidades. As pequenas (de 10 a 49 funcionários) perderam 1.781 unidades (-10,4%), enquanto as grandes empresas (de 50 a 249 funcionários) encolheram 1,3% (- 104 unidades). As acima de 250 funcionários ou mais perderam 14 unidades (0,5% do total).

No Brasil como um todo, o número de unidades locais de empresas cresceu 3,4% entre 2019 e 2020, passando de 5.790.027 para 5.989.353, o que representou um saldo de mais 199.326 unidades em um ano.

O segmento de saúde humana e serviços sociais, foi o que mais cresceu 6,4% (1.114 a mais que no ano anterior), seguido pelo setor de comércio, reparação de veículos automotores e bicicletas (0,7%; 797 empresas). A maior retração ocorreu em alojamento e alimentação, com menos 402 unidades (-2,9%, 13.281 empreendimentos).

Segundo o cadastro, o Estado ficou em 15º lugar em crescimento do número de empresas. Mesmo assim, é o Estado com mais unidades locais de empresas no Norte-Nordeste, tendo o sétimo maior número do País. São Paulo (1.852.244), Minas Gerais (624.499) e Paraná (497.055) lideram entre os estados.

Pessoal

Já em relação à empregabilidade, houve queda de 1,3% no saldo de ocupação no Estado, sendo a quinta maior do país, abaixo  apenas do Rio de Janeiro, São Paulo, Rio Grande do Sul e Pernambuco. 

Destaque negativo para alojamento e alimentação, que perdeu 18.905 postos de trabalho, queda de 17,3% em um ano. Comércio, reparação de veículos automotores e bicicletas seguem sendo as que mais empregam na Bahia, com 530.118 trabalhadores, porém houve queda de 3,0% entre 2019 e 2020.

Por outro lado, saúde humana e serviços sociais apresentou o maior aumento absoluto, com um incremento de 12.907 trabalhadores em um ano (+6,2%).

No Brasil como um todo, entre 2019 e 2020 houve recuo de 1,0% nas vagas das empresas formais.  O número de trabalhadores aumentou apenas em 11 dos 27 estados, com destaques para Santa Catarina, Pará e Mato Grosso.


 Com informações da Ascom IBGE Foto: Reprodução

Siga o Jornal do Sol no Instagram

LEIA TAMBÉM:

Sessão da Câmara é cancelada por falta de quórum

FNSL abre vestibular e concurso para bolsa de estudo

Salvador terá mais de 230 atrações no São João

Juizado doa R$ 94 mil para projetos de associações beneficentes

Desconto no IPVA para veículos com placas finais 7 e 8 termina em junho

 

Bahia tem a 2ª maior receita do país com turismo doméstico em 2021

A receita gerada pelo turismo doméstico na Bahia em 2020 e 2021 só foi menor que a apurada por São Paulo. É o que aponta o módulo de Turismo da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (PNADC). Esses anos foram marcados pela pandemia da Covid-19; e o setor de turismo foi fortemente impactado.

Assim, os gastos totais em viagens nacionais com pernoite para a Bahia, que correspondem à receita do estado com turismo, foram de R$ 1,2 bilhão em 2020, quando essa variável começou a ser investigada pela PNADC, e de R$ 1,1 bilhão em 2021. Em 2020 e 2021, R$ 1 de cada R$ 10 gastos por turistas brasileiros no país ficou na Bahia. Para 2022, esses números devem ser maiores. Só em julho, Porto Seguro está recebendo cerca de 27 voos por dia.

As viagens domésticas para a Bahia caíram 33,6% nos dois primeiros anos da pandemia, mas o estado se mantém como 3º principal destino do turismo nacional. A pesquisa mostra também que, em 2021, devido à pandemia, 85,4% da população baiana não viajou. A proporção de domicílios em que ninguém viajou chegou a quase 9 em cada 10.

Em 2020 e 2021, o tema foi investigado nas segundas visitas a cada um dos domicílios, captando informações sobre os três meses anteriores, e, pela primeira vez, foram pesquisados os gastos com viagens em que houve pernoite. O levantamento é feito em convênio com o Ministério do Turismo.

Houve diminuição no número de viagens com destino ao estado e partindo dele. Ainda assim, a Bahia conseguiu se manter como o terceiro principal destino de viagens domésticas e teve a segunda maior receita com turismo do país – o que mostra, por um lado, a relevância do estado no setor, em nível nacional, e, por outro, o peso que a atividade turística tem na economia baiana.

Entre 2019 e 2020, aumentaram as participações de meios de transporte individuais (carro e moto) e de hospedagem alternativa (alojamentos, casas de apoio, hospitais, sindicatos, quartéis, locais de trabalho em geral, barcos etc.) no total de viagens realizadas por baianos.

Queda nacional

No Brasil, entre 2020 e 2021, a receita com turismo doméstico recuou 10,6%, de R$ 11 bilhões para R$ 9,8 bilhões. Roraima (-66,6%), Amazonas (-53,9%) e Paraíba (-45,5%) tiveram as maiores quedas percentuais, enquanto São Paulo (menos R$ 484,8 milhões), Pernambuco (menos R$ 204,1 milhões) e Paraná (menos R$ 175,6 milhões) tiveram os maiores recuos em termos absolutos.

Com uma perda menor do que grande parte dos estados, a Bahia acabou ganhando participação na receita nacional com turismo doméstico, entre 2020 e 2021, de 10,8% para 11,2% do total. O gasto médio total em viagens com pernoite com destino ao estado, em 2021, ficou em R$ 1.690,00 o 8º entre as 27 unidades da Federação. Já o gasto médio per capita nesse tipo de viagem na Bahia ficou em R$ 205,00 apenas o 15º entre os estados.

Motivos para não viajar

Assim como ocorreu no país como um todo, a principal justificativa entre os baianos para não viajar, em 2021, continuou a falta de dinheiro, citada por moradores de 31,4% dos domicílios em que não houve viagens no estado (1,3 milhão de residências, em números absolutos).  O motivo já havia sido o mais informado em 2019 (em 46,7% dos domicílios sem viagens) e 2020 (32,2%), mas teve uma perda significativa de relevância durante os dois primeiros anos da pandemia.

No estado, o segundo motivo para não viajar também permaneceu o mesmo: não ter necessidade, citado por moradores de 31,0% dos domicílios onde ninguém viajou (cerca de 1,3 milhão de residências). A participação dele cresceu um pouco frente ao pré-pandemia, quando havia sido de 28,5% (em 2019).

Por outro lado, o motivo para não viajar que mais ganhou importância na Bahia foram os “outros”, onde estão incluídas diversas razões ligadas à pandemia. Eles haviam sido os menos citados em 2019, em apenas 2,0% dos domicílios sem viagens (78 mil), e pularam para uma participação de 20,7% em 2021 (867 mil domicílios).

No Brasil como um todo, no ano passado, em 30,5% dos domicílios onde ninguém viajou o motivo foi a falta de dinheiro. Em seguida, vieram os “outros” (em 20,9% dos domicílios sem viagens) e não ter necessidade (20,8%).

Meios de transporte

Os principais meios de transporte utilizados em viagens continuaram os mesmos na Bahia, quando comparados os anos de 2019 e 2021, mas, durante a pandemia, as viagens de carro (particular ou da empresa), que já eram as mais numerosas, ganharam ainda mais importância, enquanto as viagens em transportes coletivos (ônibus de linha ou fretados e aviões) perderam participação no total.

No ano passado, 44,6% do total de viagens realizadas por baianos foram feitas de carro (em 2019, elas haviam sido 35,3% do total). Em seguida vinham as viagens de ônibus de linha, que haviam sido 32,1% do total em 2019 e caíram para 23,6% em 2021. As viagens de avião (apenas o 5º meio de transporte mais usado na Bahia) caíram de 8,1% para 4,1% no período, e as de ônibus fretados recuaram de 3,7% para 2,0%, passando a ser a menos citadas no estado.

A ordem de preferência na hora de hospedar também se manteve ao longo da pandemia, mas a casa de amigo ou parente, líder em 2019 e 2021, perdeu participação no total de viagens realizadas por moradores da Bahia (de 52,9% para 47,6%) enquanto a categoria “outros” (que reúne alojamentos, casas de apoio, hospitais, sindicatos, quartéis, locais de trabalho em geral, barcos etc.) foi a que mais cresceu em participação (de 30,7% em 2019 para 36,3% em 2021).

Nas edições de 2020 e 2021, a PNADC Turismo investigou também a hospedagem em imóveis de temporada ou AirBnB. Eles foram a hospedagem utilizada em 3,6% das viagens feitas por baianos em 2020 e 2,7% em 2021 – os menos citados neste ano.


Com informações de Mariana Viveiros, coordenadora de Divulgação do Censo 2022 - Foto: divulgação

Siga o Jornal do Sol no Instagram

LEIA TAMBÉM:

Porto Seguro recebe cerca de 27 voos por dia em julho

Jornalistas e influenciadores portugueses visitam Trancoso e Caraíva

Arraial Eco Parque é reinaugurado em grande estilo

Axé Moi divulga grade de atrações para o Réveillon 2023

Passeio do Rio Buranhém é roteiro pouco conhecido

Oportunidade: SineBahia divulga vagas de emprego

O SineBahia divulgou na segunda-feira, 13/06, diversas oportunidades de trabalho disponíveis para Porto Seguro (confira abaixo). O serviço, realizado pela Secretaria do Trabalho, Emprego, Renda e Esporte (Setre) do Governo da Bahia em parceria com o Governo Federal, identifica, analisa e encaminha profissionais para as vagas oferecidas pelos empregadores.

Atendimento

Para atendimento no SineBahia, não é necessário realizar agendamento. As senhas são distribuídas conforme disponibilidade e por ordem de chegada. É preciso levar a carteira de trabalho física ou digital, RG, CPF, PIS e cartão de vacinação contra Covid-19. Algumas vagas pedem documentos específicos, que também devem ser apresentados no ato.

Os interessados em concorrer às vagas devem buscar atendimento na unidade do SineBahia de Porto Seguro, que fica no SAC Porto Seguro. O endereço é Rua Assis Chateaubriand, 68 - Passarela do Descobrimento - Centro de Porto Seguro.

Confira as vagas do SineBahia - Unidade Porto Seguro

AUXILIAR ADMINISTRATIVO
Ensino superior (cursando ADM)
Com experiência
2 vagas

AUXILIAR DE DENTISTA
Ensino médio (curso de ACD)
Com experiência
1 vaga

ATENDENTE BALCONISTA
Ensino Médio completo
Experiência 6 meses
1 Vaga

ATENDENTE DE LOJA
Ensino Médio completo
Experiência 6 meses
1 Vaga

AUXILIAR DE LIMPEZA
Ensino Fundamental
Experiência 6 meses
1 Vaga

AUXILIAR DE COZINHA
Ensino Fundamental
Experiência 6 meses
1 Vaga

AUXILIAR DE MANUTENÇÃO
Ensino Fundamental
Experiência 6 meses
1 Vaga

BARMAN
Ensino Médio
Experiência mínima de 6 meses
2 Vagas

COZINHEIRO
Ensino médio completo
Experiência 1 ano
1 Vaga

GARÇOM
Ensino Médio
Experiência 6 meses
1 vaga

LAVADOR DE PRATO
Ensino fundamental
Experiência mínima de 6 meses
4 Vagas

PEDREIRO
Ensino Fundamental
Experiência 6 meses
1 Vaga

PIZZAIOLO
Ensino Médio
Experiência mínima de 6 meses
1 Vaga


Com informações do SineBahia Foto: Reprodução 

Siga o Jornal do Sol no Instagram

LEIA TAMBÉM:

Nova CNH será substituída de forma gradual e sem custo extra

Sebrae realiza palestra Conexões Náuticas

Cantora de Porto Seguro é selecionada para reality da Band

Servidores baianos tem pagamento antecipado em junho

Saiba tudo o que vai acontecer no São João de Porto Seguro