Prefeitura realiza chamamento simplificado para profissionais da saúde

 

A Secretaria de Saúde de Porto Seguro publicou chamamento público simplificado 10/2020 para contratação de profissionais de nível superior, graduados em medicina, tendo em vista a situação de emergência em saúde pública. O chamamento foi feito pelo Decreto Municipal Nº 10725/2020.

Para participar, os interessados devem enviar documentação listada no site do Diário Oficial do Município, no site oficial da Prefeitura Municipal, no endereço eletrônico: https://www.acessoinformacao.com.br/ba/portoseguro. De acordo com a gestão, o objetivo é fortalecer a rede de mobilização e enfrentamento à Covid-19, mantendo os atendimentos e a assistência de cuidados essenciais.


Fonte: Ascom PMPS

Registrado 68º óbito por Covid-19 em Porto Seguro

Em 23/11/20, Porto Seguro registrou, desde o início da pandemia, 3.546 casos positivos de Covid-19. Na data, 221 pessoas estão em isolamento respiratório. 04 pacientes estão internados e 44 pessoas aguardam resultado de exame. O 68º óbito pela doença foi registrado. Trata-se de um homem de 72 anos, residente do bairro Cambolo.

Na Bahia, dos 386.321 casos confirmados desde o início da pandemia, 369.812 já são considerados recuperados e 8.386 encontram-se ativos. Os casos confirmados ocorreram em 417 municípios baianos, com maior proporção em Salvador (25,06%). Os municípios com os maiores coeficientes de incidência por 100.000 habitantes foram: Ibirataia (9.117,03), Aiquara (6.860,10), Itabuna (6.813,52), Madre de Deus (6.779,50), Almadina (6.698,39).

O boletim epidemiológico contabiliza ainda 785.728 casos descartados e 95.744 em investigação. 30.810 profissionais da saúde foram confirmados para Covid-19. O número total de óbitos por Covid-19 na Bahia desde o início da pandemia é de 8.123, representando uma letalidade de 2,10%. Dentre os óbitos, 56,30% ocorreram no sexo masculino e 43,70% no sexo feminino. Em relação ao quesito raça e cor, 54,54% corresponderam a parda, seguidos por branca com 18,22%, preta com 14,85%, amarela com 0,73%, indígena com 0,11% e não há informação em 11,56% dos óbitos. O percentual de casos com comorbidade foi de 71,70%, com maior percentual de doenças cardíacas e crônicas (74,28%).


Fontes: Com informações da Ascom PMPS e Secom Governo da Bahia

Médicos do HRDLEM fazem novo protesto contra atrasos salariais

 

A equipe médica do Hospital Deputado Luís Eduardo Magalhães publicou uma nota sobre um ato que chamou atenção para as condições de trabalho destes profissionais, na segunda-feira, 23/11/20, pela manhã. Em ato simbólico, os profissionais de saúde se posicionaram ao redor do hospital, simulando um abraço coletivo na unidade. O objetivo, segundo a nota, é alertar “para as mazelas que a equipe medica vem sofrendo recentemente, sobretudo quanto aos atrasos salariais”. Ainda na nota, o corpo clínico do hospital afirma que “os médicos estão com dois meses de salários atrasados”. E completa: “esperamos que tais dias sombrios não se perpetuem, prejudicando a assistência à população”.

A assessoria de comunicação do HRDLEM respondeu por meio nota do Instituto de Gestão e Humanização (IGH), empresa que administra a unidade hospitalar: “O Hospital Regional Deputado Luís Eduardo Magalhães (HRDLEM), em Porto Seguro, vem a público esclarecer que o pagamento da remuneração dos serviços médicos ainda não foi efetuado devido a um déficit financeiro no contrato com a Secretaria de Saúde da Bahia, em decorrência dos gastos extras desde o início da Pandemia. O IGH, visando honrar o comprometimento com o corpo clínico da Unidade, estava em tratativas diárias com a Sesab, que já autorizou o aditivo no contrato, e agora está no aguardo do repasse da Secretaria para a regularização dos pagamentos com os prestadores de serviços médicos”.

Esta não é a primeira vez que os profissionais de saúde do HRDLEM se manifestam contra atrasos salariais em 2020. Mesmo num ano atípico e em que a população e o atendimento em saúde enfrentam desafios trazidos pela Covid-19, os salários permanecem atrasando com frequência.

Ministério da Saúde prepara estratégia de vacinação contra a Covid-19

 

O Ministério da Saúde divulgou a primeira parte do Plano de Operacionalização da Vacina contra a Covid-19. O documento relaciona os dez eixos prioritários que vão guiar a campanha de vacinação dos brasileiros, a fim de reduzir a morbidade e mortalidade pela doença, além de diminuir a transmissão do vírus entre as pessoas. A divulgação foi feita dia 19/11/20, em coletiva de imprensa.

O objetivo é imunizar, tão logo uma vacina segura seja disponibilizada, os grupos com maior risco de desenvolver complicações e óbitos pela doença e as populações mais expostas ao vírus.

O secretário de Vigilância em Saúde, Arnaldo Medeiros, reforçou que o público-alvo será detalhado apenas após a conclusão dos estudos de fase 3 dos imunizantes testados. “Só assim conseguiremos avaliar em quais grupos (a vacina) teve maior eficácia”, afirmou.

O documento foi elaborado no âmbito da Câmara Técnica Assessora em Imunizações e Doenças Transmissíveis, em parceria com instituições que auxiliaram na definição dos grupos de risco, estratégia de vacinação, atualização os estudos sobre a doença, entre outros.

Além do Ministério, integram esse grupo a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), o Instituto Nacional de Controle e Qualidade em Saúde (INCQS), a Fiocruz, o Instituto Butantan, o Instituto de Tecnologia do Paraná (Tecpar), sociedades médicas, conselhos federais da área da saúde, Médicos Sem Fronteiras e integrantes dos Conselhos Nacionais de Secretários Estaduais e Municipais de Saúde (Conass e Conasems).

Na coletiva, Arnaldo Medeiros disse que a importância da estratégia é dar transparência ao processo de elaboração da campanha, de modo que a população sinta segurança no processo. “Esse ministério tem um compromisso sério com a população brasileira de só vacinarmos quando tivermos certeza de que estamos diante de uma vacina registrada com garantia de eficácia”.

A campanha de divulgação do processo de produção e aprovação do imunizante, bem como da capacidade do país de distribuir os insumos, está prevista para ser lançada entre dezembro e janeiro. A mobilização para chamar os públicos prioritários para aplicação das doses e locais de vacinação é o passo seguinte, e deve ocorrer assim que houver definição sobre as vacinas.

Eixos prioritários

O desenvolvimento do plano de ação nacional e sua execução nos estados e municípios tem como base dez eixos prioritários: situação epidemiológica; atualização das vacinas em estudo; monitoramento e orçamento; operacionalização da campanha; farmacovigilância; estudos de monitoramento pós marketing; sistema de informação; monitoramento; supervisão e avaliação; comunicação e encerramento da campanha.

Em relação à situação epidemiológica, o primeiro eixo busca identificar grupos de maior risco para adoecimento, agravamento e óbito pela Covid-19. Dentre os grupos prioritários estão: idosos e pessoas com comorbidades (Diabetes, HAS, Doenças cardíacas/cerebrovasculares, DPOC, Renal, Obesidade, Câncer, Transplantado e Anemia Falciforme). Profissionais de saúde também foram considerados grupos de risco por estarem mais expostos ao vírus.

Neste eixo, a Pasta também avalia as condições de armazenamento e duração da vacina e os dados de segurança.  Em relação à armazenagem dos imunizantes, as especificações serão orientadas pelo laboratório fornecedor.

Sobre a operacionalização da campanha, a informação é de acompanhamento da estratégia de vacinação, distribuição de doses por unidade federada, público-alvo, meta, fases e prioridades. Já na farmacovigilância, será realizado o monitoramento dos eventos adversos pós-vacinação no pós-licenciamento da vacina (administração da vacina em massa).

Segundo o MS, por meio dos sistemas como DataSUS será possível obter o registro nominal da população para avaliar a cobertura vacinal e o acompanhamento de eventos adversos pós-vacinação. As vacinas precisam ter a rastreabilidade. Com relação ao eixo de monitoramento, supervisão e avaliação, serão definidos indicadores para avaliação da estratégia de vacinação desde a sua execução até os resultados. No final de todos esses processos, serão avaliados os resultados da campanha.


Fonte: Ministério da Saúde

© 2020 - Jornal do Sol - Informação com Credibilidade